Segmento publicitário

 SECOM
‘Partner Content’ is used to describe brand content that is paid for and controlled by the advertiser rather than the Euronews editorial team. This content is produced by commercial departments and does not involve Euronews editorial staff or news journalists. The funding partner has control of the topics, content and final approval in collaboration with Euronews’ commercial production department.
Segmento publicitário
‘Partner Content’ is used to describe brand content that is paid for and controlled by the advertiser rather than the Euronews editorial team. This content is produced by commercial departments and does not involve Euronews editorial staff or news journalists. The funding partner has control of the topics, content and final approval in collaboration with Euronews’ commercial production department.
SECOM

O Brasil convida ao investimento em infraestrutura e energia renovável

©
©   -   Direitos de autor  SECOM

Com cerca de 4.350 quilômetros entre seus pontos mais distantes, o Brasil é o quinto maior país do mundo, ladeado por 7.200 quilômetros de costa atlântica e pelas fronteiras de nada menos que dez países sul-americanos.

Este vasto território é formado por florestas tropicais, rios, pântanos, montanhas e conurbações em expansão, ligadas por transporte que são invejáveis.

Apesar da pandemia e das subsequentes incertezas que agitam as economias ao redor do mundo, os negócios no Brasil estão florescendo e uma série de medidas que racionalizam os procedimentos de investimento aumentou ainda mais a confiança, tornando o Brasil o sexto maior destino do mundo para investimento estrangeiro direto (IED).

De acordo com relatórios recentes da ONU, o número de propostas de financiamento dentro do setor de infraestrutura aumentou 53% em 2021 e deverá aumentar ainda mais em 2022.

Sistemas de transporte atualizados permitirão que o país cumpra seu potencial

SECOM
©SECOM

Os setores que o governo brasileiro está visando ao investimento estrangeiro, como parte de seu programa de concessão, incluem as redes ferroviárias e marítimas, eletricidade e saneamento. A modernização das conexões de transporte é vista como uma necessidade urgente em um país tão grande e com uma população de 216 milhões de habitantes - para o deslocamento de pessoas, assim como para a passagem de mercadorias e alimentos.

Os abundantes recursos naturais do Brasil têm sido explorados há muito tempo para exportação ou para o próprio setor industrial do país, mas a maioria deles veio do sul e sudeste, onde a maioria das indústrias brasileiras tem sua base. Uma logística melhorada permitiria um acesso mais fácil à riqueza de recursos semelhantes em outras regiões.

A rede rodoviária brasileira já é a quarta maior do mundo, enquanto sua rede ferroviária é a nona maior. Investimentos substanciais e enormes avanços na modernização do setor portuário verão o porto de Santos, na costa de São Paulo, transformado no maior terminal marítimo do hemisfério sul.

Desde 2019, o Ministério da Infraestrutura leiloou 84 ativos de transporte; 34 concessões aeroportuárias; 36 arrendamentos portuários; seis grandes projetos ferroviários; sete projetos rodoviários e uma privatização de portos.

O investimento nestes totaliza R$99,4 bilhões até o momento e deverá aumentar para R$100 bilhões até o final de 2022, com concessões planejadas para mais 34 ativos. No total, espera-se que isto gere 1,5 milhões de empregos.

O investimento estrangeiro é fundamental para injetar recursos no país e aumentar a competitividade nos mercados, e é pouco provável que a próxima mudança governamental perturbe o atual programa de concessões.

Aproveitamento dos recursos naturais para um futuro mais limpo

SECOM
©SECOM

Espera-se também um investimento maciço no setor energético. O Brasil é um dos maiores produtores de energia limpa do planeta; globalmente, é o segundo maior gerador de energia hidrelétrica e o segundo maior produtor de biocombustível, depois dos EUA. Como resultado disso, recebe mais em IDE do que qualquer outro país da América Latina.

Cerca de 84% da eletricidade do Brasil é gerada a partir de fontes renováveis. Para colocar isto em perspectiva, a média mundial é de cerca de 38%. A geração eólica e solar aumentou enormemente nos últimos anos - com três quartos das usinas que entraram em operação em 2021 sendo eólica ou fotovoltaica - assim como a porcentagem de energia proveniente de biocombustíveis.

Somente em 2021, mais de 24 milhões de toneladas de gases de efeito estufa foram evitadas graças a esses biocombustíveis, o mais importante e prontamente disponível é o bioetanol, um produto das vastas plantações de cana-de-açúcar do Brasil.

As campanhas públicas ajudaram a aumentar a conscientização sobre as mudanças climáticas e as formas de conservar energia, e enquanto a utilização de veículos elétricos tem sido relativamente lenta no país, os carros híbridos que podem usar uma mistura de gasolina e etanol, conhecidos como veículos 'flexíveis', tornaram-se extremamente populares desde que foram introduzidos em 2013.

O Brasil tem as condições perfeitas para o cultivo da cana-de-açúcar - incluindo o clima quente e úmido, infinitas extensões de terra cultivável, e tecnologia agroindustrial avançada - e a produção de etanol começou a superar a demanda local, tornando o Brasil o maior exportador de etanol do mundo, responsável por 90% do mercado mundial de exportação.

Os benefícios ambientais e sociais são inestimáveis, com a redução da poluição do ar e das emissões de carbono quando comparados à gasolina, assim como a criação de centenas de milhares de empregos no setor.