Última hora

Última hora

"Primavera Árabe está infelizmente a transformar-se num Inverno Islâmico", afirma vice-ministro dos Negócios Estrangeiros de Israel

Em leitura:

"Primavera Árabe está infelizmente a transformar-se num Inverno Islâmico", afirma vice-ministro dos Negócios Estrangeiros de Israel

Tamanho do texto Aa Aa

Foi um dos decisores da política externa israelita nos últimos anos. Depois do importante cargo de embaixador de Israel nos Estados Unidos, chegou à Knesset e ao governo pela mão de Avigdor Lieberman. Danny Ayalon, vice-ministro dos Negócios Estrangeiros cessante, conversou com a euronews sobre a situação na Síria e as ambições nucleares do Irão na perspetiva de Israel.

euronews:
O Irão e a Síria afirmam que vão responder ao ataque aéreo contra um depósito de armas na Síria? Que pensa disto?

Danny Ayalon:
“Não sei do que é que eles estão a falar, mas penso que o problema que enfrentamos na Síria deve-se ao apoio, ao apoio maciço que o brutal regime de Assad recebe dos ayatollahs do Irão e dos seus sucedâneos no Líbano, o Hezbollah”

en: Se o Irão e a Síria contra atacarem, qual será a resposta de Israel?

DA: “É óbvio que Israel tem o direito a defender-se, temos a obrigação de defender a nossa população. Infelizmente, assistimos a uma radicalização desenfreada na região e aquilo a que se chamou de ‘Primavera Árabe” está infelizmente a transformar-se num ‘Inverno Islâmico’ e muito do que está a acontecer pode atribuir-se aos ayatollahs em Teerão”.

en: Na questão do nuclear iraniano, o primeiro-ministro israelita falou abertamente num eventual ataque preventivo. Não acha isso contra produtivo, que vai de facto aproximar os iranianos de uma arma atómica?

DA: “Não penso que os iranianos precisem de qualquer ajuda. O que têm feito na última década e meia é um enorme esquema de mentiras, subterfúgios que, de certa forma, desafia toda a comunidade internacional. Eles não descansam na tentativa de obterem capacidade nuclear. A capacidade nuclear não é um fim em si mesmo, é apenas um meio para conquistarem a hegemonia no Médio Oriente e muito além dele.
Gostava aqui de realçar um ponto específico: não há um confronto entre Israel e o Irão, o confronto é na realidade entre o Irão e toda a comunidade internacional”.

en: Porque é que a política de contenção funcionou com a União Soviética e não com o Irão?

DA: “Simplesmente porque a capacidade nuclear não é uma questão de sobrevivência para o Irão, não é um instrumento económico e, com todo o respeito, o Irão não é uma superpotência, apesar de querer sê-lo. Acredito que a situação mais parecida é a da Coreia do Norte, mas ao contrário da Coreia do Norte, que pode ter ou não a bomba atómica guardada na cave, o Irão tem ambições globais. Estamos a falar de um regime que, em grande parte, dedica-se a promover as suas ideologias extremistas e, para eles, o nuclear é só um meio para continuarem a minar e a destruir. Mesmo sem capacidade nuclear, os iranianos estão a ameaçar toda a região e mais além, seja o Estreito de Ormuz ou o transporte de petróleo. Com capacidade nuclear, não só podem controlar o fluxo de petróleo, como ditar o seu preço. Penso portanto que é imperativo – não só por causa de Israel, mas pelo bem de todos – que não venha a existir um Irão nuclear e penso que eles não devem subestimar a vontade, a determinação e as capacidades da comunidade internacional”.

en: Falemos da Síria: Acredita que a eventual queda de Assad será o princípio do fim do conflito, ou o fim do início, e que a guerra pode ser eternizar-se como no Líbano, por exemplo?

DA: “A situação na Síria é muito trágica e, em cima do desastre humanitário na Síria, vemos o perigo de uma desintegração completa: a Síria à beira de tornar-se num estado falhado”.

en: Acha que o Estado pode desintegrar-se por completo? Que Assad é a essência do Estado?

DA: “É essencialmente o que vemos e também vemos que a sua opção é não abdicar, é não abandonar a Síria, mas antes fortificar as posições alauitas e criar enclaves alauitas que continuarão a ser apoiados pelo Hezbollah e pelo Irão. E isto não é um bom presságio para o futuro do país e também para a estabilidade da região”.

en: Se a estabilidade da região é tão crucial, como é que a comunidade internacional deve reagir, já que a estratégia atual não parece estar a funcionar? Mais de 60 mil pessoas morreram nos últimos dois anos, o que é que a comunidade internacional tem de fazer?

DA: “Em primeiro lugar, tem de alcançar um consenso e, infelizmente, não conseguimos um acordo da comunidade internacional. E com a ausência de uma política do Conselho de Segurança (da ONU) a paralisia é completa. O resultado é, obviamente, uma escalada sem fim da situação na Síria. Portanto, penso que a primeira coisa é que os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança cheguem a acordo, seja sobre uma
zona de exclusão aérea sobre a Síria ou sob a forma de colocar uma força de paz no terreno – o que poderia ter sido facilmente alcançado há um ano e meio. Agora é quase impossível”.

en: Então a estratégia de ‘esperar para ver’ falhou e devíamos ter uma qualquer forma de intervenção internacional na Síria?

DA: “Não sou eu quem deve verdadeiramente responder e, insisto, talvez o tempo para uma intervenção efetiva tenha passado. Sei que há um debate cada vez maior, em especial na Europa, sobre dar armas e munições à oposição para lá de todo o equipamento não letal. É algo que temos de analisar com muito cuidado para garantir que as armas ou as munições não caem nas mãos erradas. Infelizmente, a oposição síria não é um bloco único, vemos que a Síria está a tornar-se um polo de atração para adeptos da jihad e islamitas fanáticos – o tipo de pessoas que viaja de uma zona quente para outra – seja da Chechénia, do Afeganistão ou da Líbia – muitas delas estão a concentrar-se na Síria, tornando as coisas muito mais complicadas”.