Última hora

Última hora

Nova tecnologia permite aos biológos marinhos dissecarem virtualmente

Em leitura:

Nova tecnologia permite aos biológos marinhos dissecarem virtualmente

Tamanho do texto Aa Aa

Ao largo da costa norte da ilha de Creta, um grupo de biólogos do Centro Helénico de Pesquisa Marinha mergulha à procura de novos espécimes. A minuciosa recolha faz-se ao longo das rochas que repousam no solo marinho. “O Mar Mediterrâneo é um dos mais estudados do mundo, foi onde a pesquisa marinha começou. Mas continuamos a encontrar novas espécies, como aconteceu no ano passado. Há outros pontos oceânicos subavaliados. Há, portanto, milhões de espécies a achar”, afirma Sarah Faulwetter, membro da equipa de investigação.

O caso dos anelídeos, uma classe de vermes aquáticos, é particularmente cativante: cobertos com uma camada de cerdas, tornaram-se extremamente resistentes à poluição ambiental, sobrevivendo mesmo em águas contaminadas com metais pesados. Os exemplares do Mediterrâneo são geneticamente idênticos aos congéneres das Caraíbas, mas diferem na morfologia, o que tem baralhado as conclusões científicas.

A taxonomia, a ciência que identifica e classifica os seres vivos, teve como pioneiro o biólogo sueco Carl Linnaeus, há cerca de 300 anos. Ainda hoje, os investigadores utilizam as ilustrações como referência no estudo microscópico dos espécimes. Trata-se de um longo e laborioso processo, como nos explica Faulwetter: “Basicamente, o trabalho é o mesmo: observamos os animais, dissecamo-los, desenhamo-los, e depois publicamos a nossa descrição.”

Mas as coisas podem assumir agora toda uma outra dimensão. Um projeto financiado a nível europeu promete concretizar um grande passo tecnológico. Exemplificando: um dos vermes recolhidos é colocado num aparelho de tomografia computadorizada, de forma a extrair uma série de imagens de raios-x que é posteriormente convertida num modelo virtual 3D do espécime. O investigador Christos Arvanitidis realça que “isto representa a convergência de três disciplinas diferentes. Uma, é a taxonomia tradicional; a outra, é a informática; a terceira, é a bio-imagética, que é a ciência médica. Este método permite-nos beneficiar da integração destas três áreas.”

Demora bastante tempo a criar um modelo a três dimensões a partir dos raios-x. Mas, uma vez terminado, pode ser manipulado das mais variadas formas, como dissecações virtuais, que permitem manter intacto o corpo do espécime.