Última hora

Última hora

Speed: Acidente grave de Bianchi mancha GP do Japão de Fórmula 1

Em leitura:

Speed: Acidente grave de Bianchi mancha GP do Japão de Fórmula 1

Tamanho do texto Aa Aa

Jules Bianchi, de 25 anos, luta pela vida no hospital depois de ter sofrido um grave acidente perto do final do Grande prémio do Japão, disputado este domingo em Suzuka sob os efeitos diluvianos de um tufão e que terminou de forma precoce com o triunfo do britânico Lewis Hamilton. A 10 voltas do fim, o piloto francês da modesta escuderia Marussia, e que pertence à Academia da Ferrari, despistou-se e embateu no veículo de assistência que retirava da pista um outro monolugar acidentado – o Sauber do alemão Adrian Sutil.


Bianchi sofreu graves lesões na cabeça, ficou inconsciente e foi rapidamente transportado para o Hospital Universitário de Mie, em Tsu-City. O francês foi operado de urgência a um hematoma na cabeça e, de acordo com declarações do pai, Felipe Bianchi, à televisão France 3, mantinha-se em “estado grave.”

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) confirmou a intervenção cirúrgica a “um traumatismo craniano grave” e o estado “crítico” de Jules Bianchi, que foi transferido para a Unidade de Cuidados Intensivos após a operação para ser monitorizado. Relatos surgidos, entretanto, garantem que após a operação o piloto ficou a respirar sem necessitar de assistência, mas que por questões de segurança será ligado a máquinas para respirar durante a noite. O Hospital de Mie prometeu para esta segunda-feira um comunicado a atualizar a situação do piloto francês.


Antes, o responsável de comunicação da FIA, Matteo Bonciani, havia contado aos jornalistas que Bianchi “ficou inconsciente” após o acidente e teve de ser transportado “para o hospital numa ambulância porque o helicóptero não podia voar.”


Adrian Sutil, cujo carro estava a ser retirado da pista, assistiu ao acidente, mas recusou dar detalhes. “Vi tudo. Estava ali de pé, mas não quero dar detalhes. Todos os meus pensamentos estão com Bianchi”, afirmou o alemão da Sauber.

Depois de ter permitido a realização da prova, apesar do intenso dilúvio provocado pela passagem na região do tufão “Phanfone” que alagou literalmente a pista, uma volta após o acidente de Bianchi a direção da prova decidiu dar por terminada a corrida, entregando a vitória a Lewis Hamilton, que seguia na frente à altura do acidente.

O acidente de Jules Bianchi vem relançar a discussão em torno da segurança dos pilotos de Fórmula 1. Desde 2009 que um grande prémio não era interrompido antes de de tempo. Há cinco anos, fortes chuvas motivaram a suspensão do GP da Malásia. Um Suzuka – alegam alguns agora – devia ter acontecido o mesmo.


Hamilton vence sem champanhe
No que menos importa deste 15.° grande prémio, o britânico da Mercedes somou o oitavo triunfo da temporada e reforçou a liderança do Mundial de pilotos, com 266 pontos. O companheiro de equipa de Hamilton, Nico Roseberg, foi segundo e mantém-se na perseguição, agora a 10 pontos do britânico.


Um dia depois de Sebasttian Vettel anunciar o “divórcio” com a Red Bull para se mudar, tudo indica, para a Ferrari, Fernando Alonso, que deverá ceder o lugar na escuderia ao alemão, viu-se obrigado a desistir da prova nipónica devido a um acidente logo à segunda volta e foi ultrapassado na geral pelo alemão. Coube ao ainda o campeão do Mundo em título fechar o pódio, no qual, desta feita, como seria de esperar, não houve espaço para quaisquer celebrações.


Com quatro corridas por disputar, o próximo grande prémio de Formula 1 está marcado para o próximo fim de semana, em Sochi, na Rússia.