Última hora

Última hora

Muçulmanos belgas preocupados com eventual reações anti-Islão

A comunidade muçulmana na Bélgica está preocupada com as repercussões que o atentado de quarta-feira em Paris pode provocar junto da religião

Em leitura:

Muçulmanos belgas preocupados com eventual reações anti-Islão

Tamanho do texto Aa Aa

A comunidade muçulmana na Bélgica está preocupada com as repercussões que o atentado de quarta-feira em Paris pode provocar junto da religião islâmica, seguida neste país por cerca de 7 mil pessoas. A maioria dos muçulmanos belgas concentra-se em Bruxelas e juntam-se para rezar ora na Grande Mesquita ora no Centro Islâmico e Cultural da capital belga.

Um dos frequentadores do centro disse-nos esperar “que os cidadãos belgas e os cidadãos do mundo não misturem tudo no mesmo saco”. “Nós não somos terroristas. Nós somos muçulmanos. Somos pacíficos. A nossa religião ensina-nos a ser gentis e a comungar. É esse o apelo da nossa religião”, garante.

Um outro considerou “os atos terroristas” cometidos no jornal Charlie Hebdo “são inadmissíveis”. “Nós, enquanto muçulmanos, somos pessoas que desejamos a paz. Nós queremos viver em paz. Para nós, este tipo de atos não podem ser tolerados nem pelo Islão nem certamente por pessoa alguma”, defendeu.

Refira-se, por último, que Seyf Abdel Hady, o Imã e orador do Centro Islâmico e da Grande Mesquita de Bruxelas, condenou categoricamente o trágico ataque de quarta-feira contra o jornal Charlie Hebdo, em que morreram 12 pessoas, qualificando-o como um ato terrorista e criminoso que nada tem a ver com o Islão.