Última hora

Última hora

Homem que abateu "Sniper Americano" prestes a ser julgado

Arranca na próxima semana o julgamento do homem que há dois anos abateu o atirador mais eficaz da história militar dos Estados Unidos, em Dallas

Em leitura:

Homem que abateu "Sniper Americano" prestes a ser julgado

Tamanho do texto Aa Aa

Arranca na próxima semana o julgamento do homem que há dois anos abateu o atirador mais eficaz da história militar dos Estados Unidos, em Dallas. Eddie Ray Routh, antigo fuzileiro naval, vai julgado pela morte de Chris Kyle.

O stresse pós-traumático invocado pela defesa não convence a acusação que pede pena de morte para o arguido.

A história de Kyle tornou-se mundialmente conhecida graças ao realizador Clint Eastwood que decidiu dar vida ao “Sniper Americano” através da sétima arte. O filme é adaptação cinematográfica do livro, com o mesmo nome, escrito por Chris Kyle. A película que chegou às salas de cinema portuguesas em janeiro gira em torno da coragem e da dor do atirador de elite. Uma viagem que percorre os campos de batalha no Iraque e o interior do, também, marido e pai.

O filme não retrata a morte de Kyle, mas defesa de Routh receia que o sucesso do filme perturbe o bom desempenho da justiça.

No primeiro fim de semana em exibição o “Sniper Americano” onde Bradley Cooper veste a pele de Kyle arrecadou cerca de 90 milhões de euros. O Filme é, também, um dos favoritos na corrida aos Óscares.

Com seis nomeações – incluindo as de “Melhor Filme” e de “Melhor Ator” – a película é uma adaptação da obra autobiográfica de Chris Kyle, um atirador especial do Comando Naval de Operações Especiais da Marinha dos Estados Unidos. O homem que ficou conhecido como “A Lenda” obteve entre 1999 e 2009 o maior número de baixas como atirador da história militar norte-americana.

Herói para uns, carrasco para outros. Chris Kyle nasceu no Texas. Aprendeu a utilizar as armas com o pai e tornou-se um dos melhores atiradores de sempre. Mais tarde alistou-se na Marinha norte-americana, mas foi nos SEALS que se distinguiu dos demais.
Oficialmente o sniper abateu 160 pessoas, mas fontes próximas garantem que o número é superior. No livro que «Sniper Americano» que deu mote ao filme, o atirador escreveu que o tiro certeiro mais longo que deu foi num alvo a mais de 1900 metros. Kyle admite que gostava de ter morto mais gente por acreditar que isso permitia salvar outras vidas.

Condecorado nos Estados Unidos, teve a cabeça a prémio no Iraque. Alvejado várias vezes conseguiu sobreviver a quase todas as batalhas em que esteve envolvido. Acabou por morrer num tiroteio no Texas, em fevereiro 2013.