Última hora

Última hora

Uruguai: O último adeus a Galeano

Foi o último adeus a Eduardo Galeano. O parlamento do Uruguai foi o cenário do último capítulo do jornalista e aclamado escritor que deixou uma marca

Em leitura:

Uruguai: O último adeus a Galeano

Tamanho do texto Aa Aa

Foi o último adeus a Eduardo Galeano. O parlamento do Uruguai foi o cenário do último capítulo do jornalista e aclamado escritor que deixou uma marca no pensamento sul-americano.

Foram várias as figuras da política e das artes que seguiram os passos de inúmeras outras pessoas para se despedirem de Galeano, vítima de um cancro no pulmão, e que morreu na segunda-feira.

“Era um orador destemido sobre a realidade crua da nossa América latina. Era um gladiador que dava voz aos mais humildes, aos que não tinham voz”, declarou o presidente uruguaio,

O prémio Nobel da literatura peruano, Mario Vargas Llosa, pôs de lado diferenças políticas e lamentou a morte de Galeano.

“Ele criou uma imagem da América Latina caricatural, dogmática, e profundamente errada. Mas isso não me impede de dizer que ele era uma excelente jornalista e a sua morte é uma significativa perda para a cultura da nossa língua e para a cultura uruguaia”, disse.

Galeano foi autor de mais de
quarenta livros traduzidos em diversos idiomas, obras que combinavam história, ficção, jornalismo e análise política.

O livro que mais o destacou foi “As Veias Abertas da América Latina”.

Eduardo Galeano tinha 74 anos.