Última hora

Última hora

Reconstrução de Gaza estagnada há um ano

Em leitura:

Reconstrução de Gaza estagnada há um ano

Reconstrução de Gaza estagnada há um ano
Tamanho do texto Aa Aa

Um ano depois da guerra, mais de 100 mil palestinianos da Faixa de Gaza continuam sem abrigo. O confronto político e falta de financiamento impedem a reconstrução de 18 mil casas destruídas.

Israel lançou a Operação Margem Protetora em Gaza, depois do sequestro e assassínio de três israelitas e um palestiniano.
De acordo com os dados oficiais da ONU, 2.262 palestinianos foram mortos na ofensiva do Exército de Israel, que atacou por ar, mar e terra. Entre os mortos estavam 551 crianças e 305 mulheres.

O Hamas atingiu mortalmente 73 israelitas, entre os quais e 67 soldados, neste conflito, que durou quase dois meses,

Um ano depois, nada está resolvido e mantêm-se os problemas que provocaram a ofensiva. A conferência de doadores de doadores, no cairo, em 2014, prometeram 4,9 mil milhões de euros a Gaza mas o dinheiro chega a conta-gotas. A penúria de fundos e o bloqueio de Israel impedem entrada de materiais de reconstrução.

Os quase dois milhões de habitantes limitados a 362 km2 estão numa situação alarmante, de acordo com a denúncia de várias associações humanitárias:
90% da população não tem água potável, 73% vivem com insegurança alimentar e a taxa de desemprego é de 40%, a mais alta no mundo.
60% dos jovens estão dempregados.

Politicamente, não se consegue a esperada reconciliação por causa da falta de entendimento entre o Hamas, que governa a Faixa de Gaza, e o presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas; assim, a comissão palestiniana estabelecida para supervisionar a reconstrução não avança com qualquer projeto. Águas turbulentas que o Hamas tenta aproveitar,

Sami Abu Zuhri, porta-voz do Hamas em Gaza:

- A verdadeira conclusão, um ano depois da guerra em Gaza, é que é um território difícil de dobrar, como o Hamas, o que faz com que as partes internacionais interessadas ​​mantenham a trégua, o que nos convence que o espectro da guerra está longe.

O aparecimento em força do autoproclamado Estado islâmico, que ameaça derrubar o regime do Hamas em Gaza, complica ainda mais toda a equação.

A ONU garante que, sem ação política e humanitária, as imagens de guerra vão repetir-se ano após ano.

Enquantio não houver liberdade total de movimento para os civis, não há soluções possíveis.

As medidas tomadas para aliviar o bloqueio estão muito aquém das mudanças necessárias.