Última hora

Última hora

"Europe Weekly": Turquia, Irão e Grécia dominam agenda europeia

A Força Aérea da Turquia bombardeou posições do autodenominado Estado Islâmico bem como de guerrilheiros do Partido dos Trabalhadores do Curdistão

Em leitura:

"Europe Weekly": Turquia, Irão e Grécia dominam agenda europeia

Tamanho do texto Aa Aa

A Força Aérea da Turquia bombardeou posições do autodenominado Estado Islâmico bem como de guerrilheiros do Partido dos Trabalhadores do Curdistão, na Síria. A reunião de emergência da NATO, realizada em Bruxelas a pedido da Turquia, serviu para apoiar o país, mas também para apelar a Ancara para não colocar em perigo o processo de paz com os curdos. O assunto está em destaque nesta edição de “Europe Weekly”, programa onde passamos em revista os temas que marcam a atualidade europeia da semana.

Também em destaque, a visita da chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, ao Irão, na terça-feira, para dar o pontapé de saída no acordo nuclear com a República Islâmica.

A situação de desespero em Calais, com milhares de migrantes a tentar chegar ao Reino Unido, agravou-se esta semana com a morte, na quarta-feira, de um jovem sudanês atropelado quando tentava subir para um comboio. O Reino Unido e França estão a reforçar a segurança em ambos os lados do Túnel da Mancha e o primeiro-ministro britânico, David Cameron, deixou claro que o Reino Unido não se vai converter num “paraíso seguro” para migrantes.

Yanis Varoufakis, o antigo ministro grego das Finanças, poderá ser acusado por ofensa criminal contra o Estado por causa dos planos para a introdução de uma moeda alternativa ao euro na Grécia. Varoufakis alega que não fez nada de errado e que o plano foi aprovado pelo primeiro-ministro grego. Por outro lado, Alexis Tsipras disse que não se deixará “chantagear para manter a unidade do partido”. A mensagem do chefe de Estado grego destina-se aos dissidentes do Syriza, que se opõem radicalmente às negociações sobre o terceiro resgate

A Europa entra no período de pausa de verão, mas o acontecimento mais importante das próximas semanas é mais um prazo crucial para que a Grécia pague 3.400 milhões de euros ao Banco Central Europeu a 20 de agosto.