Última hora

Em leitura:

Refugiados afegãos: Uma barreira chamada Irão


mundo

Refugiados afegãos: Uma barreira chamada Irão

Uma grande parte dos migrantes que chegam todos os dias à Europa é constituída por jovens afegãos. 14 anos depois da derrota dos talibãs pela coligação internacional, a insegurança, os ataques terroristas e a corrupção sistémica reinam neste país, em guerra há mais de 30 anos. A juventude afegã está farta desta situação.

Aqueles que partem em direção à Europa têm uma barreira pela frente: O Irão. Os guardiães da revolução, colocados na fronteira com a Turquia, não deixam passar aqueles que se dirigem para o Ocidente: “Eles prenderam o meu filho Hamad, juntamente com o primo, a poucos metros da Turquia”, conta Hadji Mohammad, operário em Cabul. “Mandaram-nos de volta para o Afeganistão, mas não vão ficar aqui. Vão voltar a tentar a sorte, em breve”, acrescenta.

O Irão vai mudar a política migratória?

Alireza, afegão, terminou o ensino secundário no Irão. Como não pôde continuar os estudos superiores no primeiro país de acolhimento. Pôs-se a caminho da Europa, mas foi detido na fronteira turca. “Prenderam-me, retiraram-me o título de residência e mandaram-me de volta para o Afeganistão”, disse à euronews. “Aqui é o meu país, mas não tenho garantias de futuro. Tenho de voltar ao Irão e pedir um novo título de residência. Ou faço os estudos universitários no Irão ou vou para a Europa”.

O Irão acolheu cerca de três milhões de refugiados afegãos desde a guerra civil dos anos 80. A maior parte acaba a trabalhar nas obras, como operários não qualificados. A aquisição da nacionalidade iraniana é praticamente impossível, mesmo para aqueles que partilham a língua (persa) e a herança cultural com o Irão.

Os imigrantes afegãos pós-talibã são, na maioria, indocumentados, o que faz deles uma comunidade marginalizada.

Tudo indica, no entanto, para que a República Islãmica mude a política relativamente aos migrantes afegãos. A TV nacional interessa-se cada vez mais pela questão. Outra boa notícia para os afegãos: Por ordem do aiatola Khamenei, líder supremo do país, as escolas iranianas são agora obrigadas a aceitar os alunos afegãos, mesmo os sem documentos.

Apesar dos aspetos positivos, um professor afegão de sociologia, diplomado pela Universidade de Teerão, considera-os um jogo político do Irão: “Com a subida do autointitulado Estado Islâmico, o Irão procura aliados mais fiáveis. Partilhamos a língua e as tradições culturais. Vivemos no Irão há muito tempo. Há uma guerra aqui ao lado, na Síria. Quem melhor que nós para ter como aliados?”, Pergunta.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

mundo

Austrália: Partido no poder "ejeta" o próprio primeiro-ministro