Última hora

Última hora

Lukashenko: "Último ditador da Europa" a caminho de um 5.º mandato presidencial na Bielorrússia

Ninguém espera outro resultado na Bielorrússia que não seja o 5.º mandato presidencial para Alexander Lukashenko, o autodenominado "último ditador da Europa".

Em leitura:

Lukashenko: "Último ditador da Europa" a caminho de um 5.º mandato presidencial na Bielorrússia

Tamanho do texto Aa Aa

A Bielorrússia já vota numas eleições presidenciais em que não se espera outro resultado que não seja a vitória do autoritário Alexander Lukashenko, que está no poder, em Minsk, desde 1994. Os outros três candidatos fazem praticamente figura de corpo presente e dão um ar democrático ao sufrágio.

Recém-galardoada com o Nobel da Literatura, a bielorrussa Svetlana Alexievitch adverte: “Lukashenko não se interessa pela forma como votamos. Como disse Estaline, ‘não é importante quem vota e como votam. O que é importante é quem conta os votos’. Penso que é esse o caso”, afirmou a escritora, que não espera “qualquer surpresa” e considera que “o que se está a passar na Rússia e na Bielorrússia irá, infelizmente, continuar durante muito tempo”.

Fenómeno raro, no sábado, centenas de opositores do regime marcharam pelas ruas de Minsk.

Lukashenko, que já se definiu como o “último e único ditador na Europa” (numa entrevista há 3 anos à agência Reuters) avança para um quinto mandato consecutivo com uma boa notícia no horizonte. Ainda este mês, a União Europeia poderá levantar temporariamente parte das sanções impostas à Bielorrússia, que assim poderá financiar-se sem ser apenas na Rússia.