Última hora

Última hora

Terceira intifada iminente depois de 13 dias de violência

Em leitura:

Terceira intifada iminente depois de 13 dias de violência

Terceira intifada iminente depois de 13 dias de violência
Tamanho do texto Aa Aa

Os habitantes da Cisjordânia vivem dias de cólera à medida que continuam a envolver-se em controntos com as forças israelitas que ocupam aquele território palestiniano.

Consideramos o governo israelita responsável pelos crimes de guerra cometidos contra a nossa população e por toda esta onda de caos, extremismo e derramamento de sangue.

Cidades como Hebron, Ramallah e Belém concentram os principais focos de violência.

A Faixa de Gaza foi também alvo de ataques por parte do exército israelita.

Saeb Erekat, o secretário-geral da OLP, não poupou críticas às autoridades de Telavive.

Numa conferência de imprensa realizada cidade de Ramallah (Cisjordânia) esta terça-feira, Erekat disse que os palestinianos têm direito a defender-se:

“Consideramos o governo israelita responsável pelos crimes de guerra cometidos contra a nossa população e por toda esta onda de caos, extremismo e derramamento de sangue”, disse Erekat, quem foi também chefe de negociações com o lado israelita durante anos.

“Seguindo as instruções do Presidente Mahmoud Abbas, apresentaremos queixa junto do Tribunal Penal Internacional contra o Primeiro-Ministro israelita, contra o seu Ministro da Defesa e contra todos os responsáveis pelo que está a acontecer”, continuou.

Rumo a uma terceira intifada?

Israel e os Territórios Palestinianos vivem, desde há treze dias, episódios de fortes confrontos e fala-se até na possibilidade de uma terceira intifada.

Nos últimos dias, morreram 6 israelitas, vítimas de ataques perpetrados por palestinianos, e 29 palestinianos, estes vítimas de ataques do exército israelita.

No entanto, o Ministro dos Negócios Estrangeiros da Palestina, Riad al-Malki, disse que o seu governo tudo faz para impedir um aumento da violência, negando ainda que esteja iminente uma terceira intifada.

Entretanto, o movimento islamista Hammas, que controla a Faixa de Gaza, emitiu um comunicado no qual elogia as agressões cometidas por palestinianos contra israelitas e incita a novas mortes e agressões.