Última hora

Última hora

Crise dos refugiados: Alemanha e UE pedem mais solidariedade entre Estados-membros

A Suécia repôs o controlo de fronteiras…para conter a entrada de refugiados. A Dinamarca, país de passagem, seguiu o exemplo, na fronteira com a

Em leitura:

Crise dos refugiados: Alemanha e UE pedem mais solidariedade entre Estados-membros

Tamanho do texto Aa Aa

A Suécia repôs o controlo de fronteiras…para conter a entrada de refugiados.
A Dinamarca, país de passagem, seguiu o exemplo, na fronteira com a Alemanha. A Alemanha e a União Europeia não gostaram. Responsáveis dos três países reuniram-se esta quarta-feira em Bruxelas com o comissário europeu para as Migrações.

Dimitris Avramopoulos, no final do encontro, garantiu que “todos concordamos que Schengen e a liberdade de circulação deve ser salvaguardada, tanto para cidadãos como para a economia”.

Mas para o representante sueco, o ministro da Justiça e Migrações Morgan Johannson, o problema neste momento é concreto e o controlo de fronteiras já está a ter efeitos:o número de refugiados a entrar no sul da Suécia vindos da Dinamarca registou uma forte descida, no primeiro dia de controlos sistemáticos de identidade. Morgan Johannson lembrou que “se contabilizarmos apenas as crianças e menores não acompanhados, entraram na Suécia 26 mil, são mil turmas a chegar à Suécia em quatro meses. Isto mostra como foi a situação no outono e não queremos passar por essa situação outra vez”.

Já o representante alemão pede mais medidas a nível europeu e menos medidas isoladas a nível nacional. Ole Schroder, secretário de Estado de Assuntos Parlamentares, defendeu que “o problema da Europa neste momento é que não existe um sistema de controlo de fronteiras a funcionar, sobretudo na fronteira entre a Grécia e a Turquia. É necessário implementar de forma correta o Sistema de Asilo Europeu. O registo de impressões digitais não está a funcionar, o mecanismo de realojamento também não”.

Recorde-se que só a maior economia da União Europeia recebeu, em 2015, 1,1 milhões de migrantes e refugiados. Na mensagem de Ano Novo, a chanceler alemã, Angela Merkel pediu aos alemães que não se deixem dividir por causa da questão dos refugiados, sublinhando que estes representam uma oportunidade para o país.