Última hora

Última hora

Finlândia: Primeiro-ministro não condena milícias de extrema-direita

O medo da repetição de cenas como as de Colónia levou à formação de milícias civis na Finlândia, aparentemente ligadas à extrema-direita.

Em leitura:

Finlândia: Primeiro-ministro não condena milícias de extrema-direita

Tamanho do texto Aa Aa

Não foi só a Alemanha a conhecer casos de agressões na noite de fim de ano. Na Finlândia, embora estes episódios tenham sido muito menos e de menor gravidade, há já patrulhas de civis nas ruas de várias cidades do país.

Point of view

As patrulhas podem fazer um trabalho importante, mas as milícias civis não podem substituir-se à polícia.

Um grupo, que se auto-intitula Soldados de Odin, aparentemente ligado à extrema-direita, está a patrulhar cidades como Kemi, no norte do país.

O primeiro-ministro Juha Sipilä não condenou estas patrulhas, mas lembrou que esse papel pertence à polícia: “Em princípio, é a polícia que tem de assumir o papel de impor a lei e a ordem no país, isso é óbvio. As patrulhas podem fazer um trabalho importante, mas as milícias civis não podem substituir-se à polícia”

Sobre os distúrbios na Finlândia, sabe-se que a polícia dispersou um ajuntamento de cerca de mil refugiados iraquianos num túnel perto da estação de Helsínquia. Houve várias detenções e pelo menos dois casos de assédio que estão a ser investigados, mas não há, para já, casos confirmados de violações.