This content is not available in your region

Indonésia: Grupo Estado Islâmico reivindica ataques em Jacarta

Access to the comments Comentários
De  Patricia Cardoso  com AFP, EFE, LUSA, Reuters, Ansa
Indonésia: Grupo Estado Islâmico reivindica ataques em Jacarta

<p>O grupo autoproclamado Estado Islâmico reivindica as explosões e o ataque armado desta manhã, no centro de Jacarta. </p> <p>Uma agência de notícias próxima do grupo terrorista afirma que os membros do Daesh levaram a cabo os ataques contra “estrangeiros e forças de segurança que os protegem” na capital indonésia.</p> <p>O balanço oficial aponta para pelo menos sete mortos, incluindo dois civis e cinco atacantes, dois deles bombistas suicidas. </p> <p>Há ainda dez feridos. Um holandês está em estado grave, segundo o ministério holandês dos Negócios Estrangeiros.</p> <p>A polícia diz também ter detido quatro alegados atacantes.</p> <blockquote class="twitter-video" lang="en"><p lang="in" dir="ltr">Video ledakan di parkiran starbucks Sarinah <a href="https://twitter.com/hashtag/BreakingNews?src=hash">#BreakingNews</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/ledakansarinah?src=hash">#ledakansarinah</a> <a href="https://t.co/Q6nbIS2bTl">pic.twitter.com/Q6nbIS2bTl</a></p>— Robert Harianto (@robetbet) <a href="https://twitter.com/robetbet/status/687493691594809344">January 14, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Houve várias explosões e um longo tiroteio.</p> <p>Após uma primeira deflagração, junto a um café Starbucks, os homens armados barricaram-se no centro comercial Sarinah, num bairro perto do palácio presidencial, das instalações da <span class="caps">ONU</span> e de várias embaixadas. </p> <p>Foram necessárias várias horas para que a polícia desse o ataque por terminado.</p> <p>O presidente indonésio Jowo Widodo, em viagem a Java, regressou de imediato a Jacarta. Considera os ataques um “ato de terrorismo”.</p> <p>Portugal, Brasil e Estados Unidos aconselharam os cidadãos a evitarem as deslocações, sobretudo, no centro de Jacarta.</p> <p><a data-flickr-embed="true" href="https://www.flickr.com/photos/euronews/albums/72157663464029806" title="Jakarta attacks"><img src="https://farm2.staticflickr.com/1670/24370781455_85aae419d3_z.jpg" width="606" height="427" alt="Jakarta attacks"></a><script async src="//embedr.flickr.com/assets/client-code.js" charset="utf-8"></script></p> <p>As autoridades indonésias suspeitavam já do grupo autoproclamado Estado Islâmico. Um porta-voz da polícia revelou que o grupo terrorista emitiu uma mensagem enigmática antes do ataque, na qual dizia que “haveria um concerto na Indonésia e que estaria na atualidade internacional”.</p> <p>A Indonésia, que detém a maior comunidade muçulmana do mundo, estava em estado de alerta há várias semanas, face a ameaças terroristas. </p> <p>O Daesh tinha prometido colocar a Indonésia “no centro das atenções”</p> <p>O último grande ataque, ocorrido em Jacarta, remontava a julho de 2009.</p>