Última hora

Última hora

Coligação internacional promete "manter a pressão " contra o Estado Islâmico

Reunidos em Roma, os chefes da Diplomacia acordaram aumentar os ataques aéreos, acelerar a formação de forças de segurança ou avançar para a desminagem dos territórios. O plano de combate ao E.I será

Em leitura:

Coligação internacional promete "manter a pressão " contra o Estado Islâmico

Tamanho do texto Aa Aa

Mais esforços para vencer o Estado Islâmico é o compromisso dos 23 países membros da coligação internacional contra grupo jihadista, que se declararam, também, preocupados com a situação na Líbia.

Point of view

Vamos manter a pressão, esmagar o Estado Islâmico por todos os lados, destruir as tentativas de se estabelecerem noutros locais, cortar-lhes o financiamento e expor à luz do dia as mentiras - John Kerry

Reunidos em Roma, os chefes da Diplomacia acordaram aumentar os ataques aéreos, acelerar a formação de forças de segurança ou avançar para a desminagem dos territórios.

“Vamos manter a pressão, esmagar o Estado Islâmico por todos os lados, destruir as tentativas de se estabelecerem noutros locais, cortar-lhes o financiamento e expor à luz do dia as mentiras. E estamos decididos a usar todos os recursos de que dispomos para mantermos a ofensiva em todas as frentes”, afirmou o secretário de Estado norte-americano, John Kerry.

Os ministros congratularam-se das vitórias, no terreno, com o Estado islâmico a perder 40% dos territórios conquistados no Iraque, por exemplo, e a obter “resultados tangíveis” na Síria, graças, sobretudo, aos ataques aéreos.

John Kerry falou de 10.000 ataques aéreos contra os campos de treino e as bases de artilharia pesada do E.I. e referiu ainda a formação de 20.000 soldados iraquianos e “peshmerga” curdos.

“Mas já dissemos que não precisamos de triunfalismo; que, no Iraque, precisamos é de continuar empenhados tanto a nível militar, para recapturar, ao Estado Islâmico, cidades importantes, como a nível da consolidação das áreas que forem libertadas”, alertou o ministro italiano dos Negócios Estrangeiros.

Paolo Gentiloni falou também da ameaça do Estado Islâmico na Líbia, país que se situa a menos de 350 km da costa italiana. O ministro italiano reiterou a necessidade de apoiar um governo de união nacional, na Líbia, mas excluiu qualquer tipo de intervenção militar no país.

O plano de combate ao E.I será discutido, em pormenor, na próxima semana, em Bruxelas.