EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Coligação internacional promete "manter a pressão " contra o Estado Islâmico

Coligação internacional promete "manter a pressão " contra o Estado Islâmico
Direitos de autor 
De  Dulce Dias com AFP, AP, REUTERS, RAI
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Reunidos em Roma, os chefes da Diplomacia acordaram aumentar os ataques aéreos, acelerar a formação de forças de segurança ou avançar para a desminagem dos territórios. O plano de combate ao E.I será

PUBLICIDADE

Mais esforços para vencer o Estado Islâmico é o compromisso dos 23 países membros da coligação internacional contra grupo jihadista, que se declararam, também, preocupados com a situação na Líbia.

Reunidos em Roma, os chefes da Diplomacia acordaram aumentar os ataques aéreos, acelerar a formação de forças de segurança ou avançar para a desminagem dos territórios.

“Vamos manter a pressão, esmagar o Estado Islâmico por todos os lados, destruir as tentativas de se estabelecerem noutros locais, cortar-lhes o financiamento e expor à luz do dia as mentiras. E estamos decididos a usar todos os recursos de que dispomos para mantermos a ofensiva em todas as frentes”, afirmou o secretário de Estado norte-americano, John Kerry.

Coalizione anti-Isis, #Kerry e #Gentiloni: “Schiacceremo #Daesh in ogni angolo del mondo” https://t.co/CjLwe1xjbQpic.twitter.com/jJ7UVdpLE2

— Si24.it (@Si24it) February 2, 2016

Os ministros congratularam-se das vitórias, no terreno, com o Estado islâmico a perder 40% dos territórios conquistados no Iraque, por exemplo, e a obter “resultados tangíveis” na Síria, graças, sobretudo, aos ataques aéreos.

John Kerry falou de 10.000 ataques aéreos contra os campos de treino e as bases de artilharia pesada do E.I. e referiu ainda a formação de 20.000 soldados iraquianos e “peshmerga” curdos.

“Mas já dissemos que não precisamos de triunfalismo; que, no Iraque, precisamos é de continuar empenhados tanto a nível militar, para recapturar, ao Estado Islâmico, cidades importantes, como a nível da consolidação das áreas que forem libertadas”, alertou o ministro italiano dos Negócios Estrangeiros.

Paolo Gentiloni falou também da ameaça do Estado Islâmico na Líbia, país que se situa a menos de 350 km da costa italiana. O ministro italiano reiterou a necessidade de apoiar um governo de união nacional, na Líbia, mas excluiu qualquer tipo de intervenção militar no país.

O plano de combate ao E.I será discutido, em pormenor, na próxima semana, em Bruxelas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos três mortos em tiroteio durante marcha pela paz no Paquistão

Houthis do Iémen fazem ataque mortífero com drone em Telavive

Houthis atacam navio no Mar Vermelho com drone