Última hora

Última hora

Multilinguismo na União Europeia

Os luxemburgueses são os campeões do multilinguismo na União Europeia, enquanto irlandeses, búlgaros, austríacos e húngaros estão entre os piores, de

Em leitura:

Multilinguismo na União Europeia

Tamanho do texto Aa Aa

Os luxemburgueses são os campeões do multilinguismo na União Europeia, enquanto irlandeses, búlgaros, austríacos e húngaros estão entre os piores, de acordo com o gabinete europeu de estatística – Eurostat.

De acordo com os últimos dados toda a população estudantil do primeiro ciclo, no Luxemburgo, estudam duas ou mais línguas.

Quatro quintos ou mais dos alunos, do mesmo nível, na Irlanda, Bulgária, Áustria e Hungria estudam apenas uma língua.

Em Portugal apenas 35,2% dos alunos do primeiro ciclo aprendem uma segunda língua (segunda dados de 2013).

Outras tendências a surgir incluem:

  • 89,7 % dos alunos do segundo ciclo, na Irlanda, estudam uma língua estrangeira, o número mais baixo da União Europeia.
  • Todos os alunos, do mesmo nível, na Dinamarca, Grécia, Espanha, Itália, Luxemburgo, Malta, Eslovénia e Suécia aprendem, pelo menos, uma língua estrangeira.
  • A Bélgica e o Luxemburgo são os únicos países da UE onde o Inglês não é a língua estrangeira “dominante”.
  • Inglês é a língua estrangeira mais apetecida, seguida pelo francês, alemão e espanhol.
*O russo é a única língua de fora da União a figurar na lista de línguas estrangeiras estudadas.

Luxemburgo é uma anomalia?

Não há dúvidas que no Luxemburgo o multilinguismo é comum, uma vez que o país tem três línguas oficiais: o luxemburguês, o francês e o alemão. Todas as crianças são escolarizadas nos três idiomas.

Para o Eurostat, o francês e o alemão são consideradas línguas “estrangeiras”.

Uma sondagem, em 2011 mostrou que o Luxemburgo foi o único Estado da UE onde mais da metade dos entrevistados afirmou ser capaz de falar três línguas ou mais. Quase três quartos dos adultos entrevistados (com idades compreendidas entre os 25 e os 64 anos) assumiram-se como multilingues, enquanto 22 por cento declararam-se bilingues.

Quem são os menos poliglotas da UE?

A grande maioria dos alunos – oito em cada dez ou mais – no segundo ciclo, na Hungria, Bulgária, Áustria e Irlanda estudavam apenas uma língua estrangeira em 2014, o último ano em que existem dados disponíveis.

Na União Europeia, em média, 59,9% dos estudantes do segundo ciclo, estudavam duas ou mais línguas estrangeiras.

Na Bulgária, 61% dos entrevistados afirmaram não falar nenhuma língua estrangeira, na Hungria esse valor sobe para 63,2%, na Irlanda atinge os 72,7%.

Quais são as línguas estrangeiras mais populares

Inglês continua a dominar, em 2014, com 97,3 por cento dos estudantes a estudá-la, um aumento, em relação a 2012 (96,7%).

Francês é a segunda língua mais estudada (33,7%, -0,4 em relação a 2012), seguida pelo alemão (23,1%, que registou um aumento de 1% em relação a 2012) e o espanhol (13,1%, que registou um aumento de 0,9%).

O russo é a única língua externa à União Europeia comummente estudada. É a segunda língua estrangeira mais estudada, depois do inglês, em antigas repúblicas soviéticas como Estónia, Letónia e Lituânia.

Cerca de 500.000 estudantes do segundo ciclo estudam russo, na UE. Verifica-se uma tendência de crescimento na Finlândia, Eslováquia e República Checa.