Última hora

Última hora

EUA: Trump e Sanders vencedores em New Hampshire

Donald Trump e Bernie Sanders são os vencedores das eleições primárias de New Hampshire para a presidência dos Estados Unidos, que se realizaram esta

Em leitura:

EUA: Trump e Sanders vencedores em New Hampshire

Tamanho do texto Aa Aa

Donald Trump e Bernie Sanders são os vencedores das eleições primárias de New Hampshire para a presidência dos Estados Unidos, que se realizaram esta terça-feira, segundo as projeções.

Com mais de 80% dos votos contados, Sanders supera Hillary Clinton (com 59,68% dos votos contra 38,66%), enquanto Trump deixou John Kasich em segundo lugar (35,15% contra 15,97%).

Meio milhão de eleitores terão participado nas primárias do estado de New Hampshire.

Sanders abalou a Dama de Ferro

A votação em New Hampshire aponta os favoritos das presidenciais norte-americanas.

Mesmo que o resultado destas primárias não se revele prenúncio da derrota de Hillary Clinton, a candidata favorita do partido democrata passou um mau bocado e o resto da sua campanha ficará marcada. A pressão de Bernie Sanders conseguiu abalar a Dama de Ferro da política norte-americana.

Este pequeno estado do nordeste dos Estados Unidos tem um valor simbólico importante nas eleições primárias. Os candidatos são obrigados a um esforço sério para convencer os cerca de 880 mil eleitores de New Hampshire, especialmente os quase 400 mil independentes.

Depois do caucus de Iowa de 1 de fevereiro, que lançou a corrida às presidenciais de novembro, as primárias de New Hampshire são a segunda etapa do processo de seleção de candidatos que terminará com as convenções de julho.

Pela segunda vez na corrida à Casa Branca depois da derrota face a Barack Obama em 2008, Hillary superou por pouco Sandres em Iowa (49,8% contra 49,6%), enquanto o republicano Ted Cruz derrotou Trump por 27,7% contra 24,3%.

Em New Hampshire os candidatos republicanos disputam o segundo lugar depois de Trump. O filho de imigrantes cubanos de 44 anos, Marco Rubio, foi surpresa em Iowa, ao conseguir um terceiro lugar próximo de Trump (23,1%) e as sondagens são positivas para o governador de Ohio, John Kasich. É muito pior a situação do ex-governador da Flórida Jeb Bush, que parece destinado ao esquecimento.

O efeito Goldman Sachs

No campo democrata, a disputa tornou-se ainda mais cerrada, pois Sanders ergueu a bandeira “socialista” e conseguiu colar à ex-secretária de Estado o rótulo de candidata dos poderosos do mundo financeiro. Decidido a jogar forte, Sanders acusou Hillary pelo dinheiro que a ex-primeira-dama recebeu do banco Goldman Sachs no período entre o serviço na secretaria de estado e a decisão de candidatar às presidenciais de 2016.

Clinton viu as certezas de uma vitória fácil desvanecerem-se em New Hampshire. O senador do estado de Vermont apela a uma revolução política e a uma mudança de direção. Conquistou a simpatia do eleitorado jovem, o que contribuiu para uma surpeendente vitória.

O financiamento da campanha foi o assunto que dominou em New Hampshire. “Juntos, enviámos uma mensagem que ressoará de Wall Street a Washington: que o governo pertence a todos os cidadãos”, disse Sanders.

Confrontada pelo jornalista da CNN Anderson Cooper, em New Hampshire, sobre o dinheiro que recebeu de Goldman Sachs, Hillary Clinton respondeu: “Foi o que ofereceram”.

Sondados à saída das urnas, os eleitores republicanos consideraram questões prioritárias o despesismo do governo e o terrorismo, enquanto as preocupações dos democratas são a desigualdade de rendimentos e a justiça económica.