Última hora

Última hora

Turquia: Atentado contra autocarros militares provoca 28 mortos em Ancara

Presidente Erdogan afirma que, "a Turquia não vai hesitar em utilizar o direito à auto-defesa, em qualquer lugar, em qualquer momento e em qualquer caso".

Em leitura:

Turquia: Atentado contra autocarros militares provoca 28 mortos em Ancara

Tamanho do texto Aa Aa

Pelo menos 28 pessoas morreram e mais de sessenta ficaram feridas, depois de uma viatura armadilhada explodir junto a dois autocarros de transporte de militares em Ancara.

A ação, que não foi reivindicada ocorreu ao final da tarde, em Kizillay no centro da capital turca, no bairro que concentra o quartel-general do exército, o parlamento e várias embaixadas.

A deflagração teria ocorrido num momento em que os dois autocarros se encontravam parados num semáforo vermelho.

O vice-primeiro-ministro turco afirmou desconhecer, para já, quem está por detrás do ataque. O presidente Recep Erdogan reagiu à ação, afirmando que, “a Turquia não vai hesitar em utilizar o direito à auto-defesa, em qualquer lugar, em qualquer momento e em qualquer caso”.

O ataque ocorreu à mesma hora em que decorria uma reunião dos responsáveis da segurança turca com o presidente Recep Tayyip Erdogan.

Segundo o ministro da Saúde turco pelo menos sessenta pessoas encontram-se hospitalizadas após a ação. Três das vítimas mortais faleceram no hospital.

O primeiro-ministro Ahmet Davutoglu cancelou uma deslocação prevista a Bruxelas, também para acompanhar a situação.

Trata-se do segundo ataque bombista registado na capital turca desde que dois bombistas suicidas vitimaram mais de 100 pessoas, em Outubro, durante uma manifestação pró-curda, pelo fim das operações militares de Ancara contra os separatistas do PKK.

A explosão ocorre num momento de alta tensão para o governo turco, quando prossegue uma operação militar contra o grupo separatista PKK, na região curda do sul do país.

Ao mesmo tempo a Turquia prossegue, pelo quarto dia, o bombardeamento de posições da milícia curda da Síria YPG, junto à fronteira sul do país.