Última hora

Última hora

O terroristas que atacaram em Bruxelas e as ligações com os atentados de Paris

O inquérito aos ataques terroristas do dia 22 de março, em Bruxelas, reivindicados pelo autoproclamado Estado Islâmico, desvelaram as ramificações de

Em leitura:

O terroristas que atacaram em Bruxelas e as ligações com os atentados de Paris

Tamanho do texto Aa Aa

O inquérito aos ataques terroristas do dia 22 de março, em Bruxelas, reivindicados pelo autoproclamado Estado Islâmico, desvelaram as ramificações de uma rede europeia de jiadistas. No aeroporto de Zaventem, onde morreram 15 pessoas, a única certeza é que Najim Laachraoui e Ibrahim El Bakraoui se fizeram explodir. O homem do chapéu que os acompanhava continua por identificar. Este suspeito terá deixado no terminal a mala com explosivos e fugido enquanto os cúmplices deixavam atrás de si um rasto de morte.

Ibrahim El Bakraoui era um belga de 29 anos. No cadastro contava com uma condenação a dez anos de prisão por um assalto à mão armada, e no ano passado foi detido na Turquia junto à fronteira síria. As autoridades belgas deixaram-no em liberdade depois da extradição. Najim Laachraoui, também belga, de 25 anos, é considerado como o fabricante das bombas. O seu ADN também foi encontrado em 2 dos cintos de explosivos utilizados nos atentados de Paris. Em 2013 esteve na Síria.

O assassino que se fez rebentar na estação de metro de Maelbeek era irmão de Ibrahim. Khalid El Bakraoui tinha 27 anos e, como o irmão, tinha sido condenado a 5 anos prisão. Foi relacionado com os atentados de Paris ao alugar um apartamento em Charleroi que serviu de abrigo aos participantes nos ataques terroristas. Desde dezembro que tinha um mandado de captura internacional. Foi também Khalid quem alugou outro apartemento no bairro de Forest, onde a polícia encontrou as impressões digitais de Salah Abdeslam que acabou por ser capturado no dia 18 de março, em Molenbeek.

Salah Abdselam, de 26 anos, é francês mas cresceu na Bélgica. É tido como o responsável logístico dos atentados de novembro em Paris, onde recuou no último instante. Já o irmão, Brahim Abdelsam, de 31 anos, levou o plano avante e fez-se explodir diante de um café parisiense. O francês tinha sido extraditado pela Turquia depois de tentar alcançar a fronteira síria. Numa foto feita a 11 de novembro, numa estação de serviço em França, pode ver-se Salah Abdeslam e Mohamed Abrini num carro que foi utilizado nos ataques de Paris. Abrini está a monte e encontra-se na lista dos 50 mais procurados na Europa. O belga de 31 anos cresceu no bairro bruxelense de Molenbeek, como os irmãos Abdeslam, e combateu na Síria.

Na quinta-feira a polícia francesa deteve nos arredores de Paris um francês suspeito de projetar um atentado. Reda Kriket, de 34 anos, um antigo ladrão igualmente reconvertido à Jihad que foi condenado à revelia, na Bélgica, por recrutar combatentes para a Síria. No sábado, as autoridades italianas detiveram, Djamal Eddine Ouali, um argelino de 40 anos, suspeito de fabricar documentos de identidade falsos para os terroristas que atacaram Paris.