Última hora

Última hora

Greenpeace: UE pressionada pelos EUA a aliviar regras comerciais

A Greenpeace divulgou, esta manhã, na Internet os documentos sobre as negociações confidenciais do Tratado de livre comércio Transatlântico (TTIP, na

Em leitura:

Greenpeace: UE pressionada pelos EUA a aliviar regras comerciais

Tamanho do texto Aa Aa

A Greenpeace divulgou, esta manhã, na Internet os documentos sobre as negociações confidenciais do Tratado de livre comércio Transatlântico (TTIP, na sigla em inglês), que denuncia as pressões exercidas pelos Estados Unidos sobre a União Europeia.

A fuga de informação visa pôr fim à falta de transparência das negociações, que duram há 3 anos. Até agora conheciam-se as pretensões europeias, mas mantinha-se em segredo a posição dos Estados Unidos em aspetos-chave do acordo. Na passada noite, a organização ecologista projetou os documentos nas paredes do Bundestag, o Parlamento Federal alemão. Esta manhã, foram divulgados no site da ONG.

As mais de 240 páginas de texto confirmam as pressões de Washington para reduzir os padrões europeus de proteção ambiental, de saúde e segurança alimentar, refere a Greenpeace. Os documentos mostram que os Estados Unidos querem dar mais poder aos reguladores europeus, em detrimento dos legisladores nacionais.
A organização ecologista alerta que os documentos comportam “importantes riscos para o clima, o meio ambiente e a proteção do consumidor”, como o cultivo de transgénicos. Sugere, ainda, que “ambas as partes criam um regime que coloca o lucro à frente da vida e da saúde dos seres humanos, animais e plantas”.

O diretor europeu da Greenpeace refere que qualquer que seja o resultado das negociações será “mau”. “Em relação à proteção do ambiente, saúde pública e produtos padrão relevantes para os consumidores, a União Europeia está numa posição má e os Estados Unidos numa posição pior. Portanto, a perspetiva de ter um acordo final entre mau e muito mau não é encorajadora”, disse Jorgo Riss.

A Comissão Europeia também já reagiu. Lamenta os “mal-entendidos” e garante que não vai aceitar “nunca” padrões mais baixos.

“Nenhum acordo europeu de comércio reduzirá alguma vez o nosso nível de protecção aos consumidores, ou da segurança alimentar, ou do ambiente. Os acordos comerciais não alterarão as nossas leis sobre organismos geneticamente manipulados, ou como produzir carne segura ou como proteger o ambiente”, garantiu a comissária europeia, Cecilia Malmström, no seu blogue.

Já Ignacio Garcia Bercero, negociador principal da UE para a TTIP, afirmou: “Se esta divulgação interfere nas negociações? Sim, claro, a confiança no processo de negociação sai prejudicada com a divulgação destes documentos. É tudo o que posso dizer de momento.”

O acordo tem sido fortemente contestado. Na semana passada, milhares de pessoas manifestaram-se em Hanôver, no norte da Alemanha. O protesto foi convocado por mais de 130 entidades não-governamentais, durante a visita do presidente dos EUA, Barack Obama. A manifestação visou também o Acordo Integral de Economia e Comércio (Ceta), entre a Europa e o Canadá.