Última hora

Em leitura:

Ascenção fatal do Evereste

mundo

Ascenção fatal do Evereste

Publicidade

Multiplicam-se os acidentes mortais no Monte Evereste, no Nepal. Em dez dias contam-se pelo menos três mortos.

A última vítima mortal é um alpinista indiano de 43 anos, vítima de exaustão.

No sábado foram descobertos os corpos de um alpinista holandês e de uma professora australiana de 34 anos, vítimas de “mal de montanha” na chamada “zona de morte”.

Há ainda duas pessoas desaparecidas e 30 pessoas com ferimentos, devido a congelamento.

Os alpinistas morreram durante a descida, após uma deterioração das condições meteorológicas, depois de terem atingido o pico a 8 850 metros de altitude.

A alpinista Katja Staartjes explica: “O mal de montanha é causado pela falta de oxigénio. O corpo começa a reagir. Normalmente, o cérebro e os pulmões deixam de ser irrigados e as consequências são fatais, na maior parte das vezes”.

A época de escalada do Evereste começou a 12 de Maio. As autoridades nepaleses esperavam uma época normal, depois do sismo do ano passado e da avalanche de 2014 terem quase destruído o setor turístico do país.

O Nepal recebeu 3,1 milhões de dólares pelas 289 autorizações de escalada emitidas para estrangeiros este ano.

Desde 1953, a ascenção do Evereste foi fatal a mais de 300 pessoas.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

tradução automática

tradução automática

Artigo seguinte