Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ascenção fatal do Evereste

Ascenção fatal do Evereste
Tamanho do texto Aa Aa

Multiplicam-se os acidentes mortais no Monte Evereste, no Nepal. Em dez dias contam-se pelo menos três mortos.

A última vítima mortal é um alpinista indiano de 43 anos, vítima de exaustão.

No sábado foram descobertos os corpos de um alpinista holandês e de uma professora australiana de 34 anos, vítimas de “mal de montanha” na chamada “zona de morte”.

Há ainda duas pessoas desaparecidas e 30 pessoas com ferimentos, devido a congelamento.

Os alpinistas morreram durante a descida, após uma deterioração das condições meteorológicas, depois de terem atingido o pico a 8 850 metros de altitude.

A alpinista Katja Staartjes explica: “O mal de montanha é causado pela falta de oxigénio. O corpo começa a reagir. Normalmente, o cérebro e os pulmões deixam de ser irrigados e as consequências são fatais, na maior parte das vezes”.

A época de escalada do Evereste começou a 12 de Maio. As autoridades nepaleses esperavam uma época normal, depois do sismo do ano passado e da avalanche de 2014 terem quase destruído o setor turístico do país.

O Nepal recebeu 3,1 milhões de dólares pelas 289 autorizações de escalada emitidas para estrangeiros este ano.

Desde 1953, a ascenção do Evereste foi fatal a mais de 300 pessoas.