Última hora

Última hora

Referendo cria incerteza sobre futuro dos eurodeputados britânicos

Em leitura:

Referendo cria incerteza sobre futuro dos eurodeputados britânicos

Referendo cria incerteza sobre futuro dos eurodeputados britânicos
Tamanho do texto Aa Aa

Na última sessão plenária do Parlamento Europeu antes do referendo no Reino Unido sobre a permanência na União, muitos eurodeputados questionam-se sobre o que acontecerá aos colegas britânicos caso ganhe a campanha pela saída.

Alguns deles, mais ansiosos por saírem - como é o caso dos membros do Partido da Independência do Reino Unido, que não vêem a hora de se poderem ir embora - presumo que sairiam imediatamente e que não regressariam ao Parlamento Europeu"

Para o liberal alemão Alexander Graf Lambsdorff “por enquanto, os eurodeputados e o comissário britânicos devem continuar em funções porque representam o interesse pan-europeu, não apenas o interesse britânico”.

O Parlamento Europeu tem 751 membros, dos quais 73 eleitos pelo Reino Unido. Em termos de grupos políticos, 24 pertencem aos independentistas, 20 são do centro-esquerda, 19 são do centro-direita e 10 são de outras formações.

A questão das temáticas que podem ou não ser votadas está naturalmente a ser analisada pelos eurodeputados que seriam afetados.

O britânico Richard Corbett, do centro-esquerda, disse que “provavelmente, a maioria dos eurodeputados britânicos abster-se-ia nas votações sobre temas de impacto no futuro da União, à qual o Reino Unido já não pertenceria. Mas poderíamos votar em temas correntes, tais como o orçamento deste ano, para o qual contribuímos”.

O presidente do Parlamento Europeu considera que há eurodeputados que terão mais pressa de deixar o trabalho do que outros, conforme o grau de apoio ao projeto europeu.

Martin Schulz disse que “alguns deles, mais ansiosos por saírem – como é, talvez, o caso dos membros do Partido da Independência do Reino Unido, que não vêem a hora de se poderem ir embora – presumo que sairiam imediatamente e que não regressariam ao Parlamento Europeu”.

Schulz tem sido uma das vozes de alerta sobre o possível efeito dominó, com mais Estados-membros a pedirem um referendo se o Reino Unido deixar a União. A câmara europeia poderia, então, encolher ainda mais.