Última hora

Última hora

Brexit: Washington vê em Londres parceiro essencial, mas dará prioridade à União Europeia

Washington diz que um Reino Unido fora da União Europeia deixa de estar na primeira linha das negociações comerciais, apesar da relação de proximidade entre os dois países.

Em leitura:

Brexit: Washington vê em Londres parceiro essencial, mas dará prioridade à União Europeia

Tamanho do texto Aa Aa

Para Washington, um Reino Unido fora da União Europeia deixa de estar na primeira linha das negociações comerciais, apesar de que a Casa Branca tenha garantido que a relação de proximidade entre os dois países continua inalterada.

O presidente dos Estados Unidos tinha alertado o Reino Unido para a necessidade de permanecer na União Europeia como Estado membro durante uma visita a Londres no passado mês de abril.

Obama disse, na altura, que toda e qualquer possibilidade de acordo comercial entre os dois países ficaria seriamente comprometida se os britânicos abandonassem a UE, já que Washington daria sempre prioridade aos acordos com instituições em relação a acordos com países que representem apenas os seus interesses.

Uma posição que a Casa Branca confirmou na sexta-feira, depois de conhecidos os resultados oficiais do referendo levado a cabo pelo Reino Unido acerca do seu estatuto como Estado membro da União Europeia, conhecido como Brexit. Mais de 52% dos eleitores votaram a favor do abandono da UE, deixando o país dividido e a Europa em estado de choque.

“Obviamente, o presidente mantém a sua posição e eu não tenho nada a acrescentar sobre esse assunto,” disse Eric Schultz, porta-voz da Casa Branca, aos jornalistas.

De resto, os Estados Unidos procuraram, depois de conhecidos os resultados do referendo, manter uma posição de equilíbrio, salientando que tanto a União Europeia como o Reino Unido são parceiros comerciais fundamentais para o país.

Uma posição que compromete seriamente a posição do Reino Unido nas negociações da polémica Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento ou TTIP, que começou a ser negociada em Julho de 2013 e que, por incluir os Estados Unidos e a União Europeia, que representam cerca de 60% da riqueza produzida, afetaria a economia à escala global. A 12ª ronda de negociações do TTIP arrancou em Bruxelas, a 22 de fevereiro de 2016.