This content is not available in your region

Merkel "levanta o véu" sobre nova política migratória após reeleição à frente da CDU

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Merkel "levanta o véu" sobre nova política migratória após reeleição à frente da CDU

<p>Angela Merkel foi reeleita líder dos Cristãos Democratas alemães pela nona vez consecutiva com quase 90% dos votos. </p> <p>A Chanceler obtém assim o apoio da formação, durante o congresso da <span class="caps">CDU</span> em Essen, para recandidatar-se a um novo mandato em setembro do próximo ano.</p> <p>Um resultado, no entanto, abaixo do recorde de 97% de votos há quatro anos, que revela as divisões criadas pelo debate em torno da política migratória do governo.</p> <p>No seu discurso de vitória, Merkel prometeu uma linha mais dura face à imigração e ao extremismo.</p> <p>“Não queremos sociedades paralelas, e temos que evitá-las em todos os sítios onde se manifestem. As nossas leis têm prioridade sobre códigos de honra, tribais ou regras familares e a a ‘sharia’ (a lei islâmica). Isso também significa mostrarmos a cara quando nos cruzamos na rua. É por isso que o véu islâmico integral não é apropriado e deverá ser proibido, sempre que seja possível a nível legal, pois é algo que não tem nada a ver connosco”, afirmou Merkel.</p> <p>Palavras que se destinam antes de mais a contrariar a vaga populista na Europa, representada na Alemanha pelo partido <span class="caps">AFD</span> (Alternativa para a Alemanha). </p> <p>A formação, inicialmente apenas eurocética, alcançou o terceiro lugar como partido nacional, graças ao seu discurso anti-Islão e anti-imigração.</p> <p>Um terreno fértil depois de Angela Merkel ter permitido e defendido a entrada de mais de um milhão de refugiados no país, no ano passado.</p> <p>A <span class="caps">CDU</span> tenta agora virar a página sobre o episódio de maior impopularidade da Chanceler, ao defender medidas como o reforço do número de expulsões de pessoas sem direito a asilo e o prolongamento do período de retenção de migrantes.</p>