This content is not available in your region

Palestina: resolução das Nações Unidas pode ser futuro de independência

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Palestina: resolução das Nações Unidas pode ser futuro de independência

<p>O presidente palestiniano Mahmoud Abbas reagiu esta terça feira pela primeira vez em público à resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas contra os colonatos israelitas nos territórios ocupados:</p> <p>“Pensamos e acreditamos que a resolução das Nações Unidas estabelece uma base para Israel e o resto do mundo, em que se devem ter negociações baseadas nas resoluções e que não devem rejeitar a legitimidade internacional que foi claramente mencionada na resolução.”</p> <p>A resolução crítica foi a primeira em mais de 36 anos e teve a ausência de veto dos Estados Unidos. <a href="http://www.tsf.pt/internacional/interior/nacoes-unidas-exigem-a-israel-o-fim-imediato-dos-colonatos-5569597.html">Foi aprovada na sexta feira passada</a> com 14 votos e <a href="https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/201612217246932-israel-eua-resolucao-palestina/">a abstenção dos Estados Unidos</a>, requer o fim da construção de colonatos israelitas. <br /> Abbas declarou ainda esperar que a conferência do Médio Oriente, no dia 15 de janeiro em Paris, estabeleça um calendário para a independência. </p> <p>Benjamin Netanyahu, primeiro ministro de Israel, <a href="https://www.publico.pt/2016/12/23/mundo/noticia/eua-abstemse-e-deixam-passar-resolucao-na-onu-contra-construcao-de-colonatos-1755990">já declarou que o seu governo não pode e não aceitará a decisão</a>. </p> <p>Uma <a href="http://observador.pt/2016/12/26/israel-corta-relacoes-com-os-12-paises-que-votaram-resolucao-contra-colonatos/">reacção intempestiva à resolução, que mina a posição israelita na disputa com a comunidade internacional</a> sobre o futuro da Cisjordânia e Jerusalém.</p>