This content is not available in your region

Alemanha: Autoridades libertam tunisino que era suspeito de ter ligações a Anis Amri

Access to the comments Comentários
De  Miguel Roque Dias  com REUTERS
Alemanha: Autoridades libertam tunisino que era suspeito de ter ligações a Anis Amri

<p>As autoridades alemãs libertaram, esta quinta-feira, o tunisino de 40 anos, detido no dia anterior, por suspeita de ter ligações com Anis Amri, o alegado autor do atentado com um camião num mercado de Natal, em Berlim.</p> <p>A porta-voz do Ministério Público de Berlim, Frauke Koehler, anunciou que o homem tinha sido detido “porque se suspeitava que Anis Amri ter-lhe-ia enviado uma mensagem de voz e uma fotografia, pouco antes do ataque. Investigações posteriores mostraram que a pessoa detida não era a pessoa que Anis Amri terá contactado”.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr"><span class="caps">BREAKING</span>: Germany to release Tunisian detained in connection with Berlin truck attack – spokeswoman for federal prosecutor</p>— Reuters Top News (@Reuters) <a href="https://twitter.com/Reuters/status/814472863185047552">December 29, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>De acordo com um jornal alemão, o número de mortes do ataque de 19 de dezembro teria sido mais elevado caso o camião utilizado fosse outro.</p> <p>O veículo em causa estaria equipado com um sistema automático de travões de emergência que terá sido acionado, à revelia de Anis Amri.</p> <p>O Ministério Público germânico informou, ainda que, segundo as investigações, Amri passou pela Holanda e por França, antes de chegar a Itália.</p> <p>O tunisino, que no dia a seguir ao atentado jurou lealdade ao Daesh, foi abatido a tiro por uma patrulha da Polícia de Milão, durante uma operação de controlo, de rotina.</p> <p>No dia 19 de dezembro, Anis Amri lançou, alegadamente, um camião contra um mercado de natal em Berlim. </p> <p>12 pessoas morreram e 48 ficaram feridas.</p> <p><em>Com: Reuters</em></p>