Última hora

Última hora

Marine Le Pen promete devolver a soberania a França e virar costas à UE

Devolver a soberania a França é a primeira promessa de Marine Le Pen no seu longo caderno de compromissos, 144.

Em leitura:

Marine Le Pen promete devolver a soberania a França e virar costas à UE

Tamanho do texto Aa Aa

Devolver a soberania a França é a primeira promessa de Marine Le Pen no seu longo caderno de compromissos, 144.

Se chegar ao poder a primeira “batalha” propõe-se travá-la contra a União Europeia. Quer uma restruturação do grupo dos, ainda 28, mas se a UE não quiser aceitar as suas condições a saída será a solução:

“Ela vai dizer-lhes: “Fui mandatada pelo povo, quero recuperar a soberania que nos roubaram, em termos monetários, orçamentais, territoriais – as nossas fronteiras, e legislativos, para que as leis francesas estejam acima do Direito Europeu. Se Bruxelas disser sim mudamos, completamente, a Europa e, depois de um referendo, poderemos dizer que permanecemos porque já não é uma União Europeia, mas uma Europa de Nações livres e soberanas ou, se a Europa disser não, diremos, em referendo, “vamos abandonar a União Europeia”“.

“A União Europeia é um fracasso”, afirmou Le Pen. Para os seus seguidores o exemplo do Reino Unido, com a saída da UE, abre, talvez, uma porta para um, possível, futuro melhor:

“É preciso que França saia como fez o Reino Unido, desde já do Euro, que só nos fez perder. Foi uma catástrofe quando comparado com o franco. E mesmo os acordos de Schengen foram uma catástrofe”, afirmou uma apoiante da candidata da extrema-direita.

“O Reino Unido devia afundar-se e ainda está lá, aparentemente, está melhor economicamente. Aparentemente, ainda não chegaram à ruína. Os ingleses é que sabem!” – Diz outro apoiante.

Le Pen promete sair da NATO, conter a imigração, em especial de muçulmanos, “erradicar o terrorismo”, mas a primeira guerra chamam-lhe “Frexit”.

“Depois do Brexit os partidários de Le Pen acreditam, mais do que nunca, num possível “Frexit”. Porque a vitória, para eles, nunca lhes pareceu tão possível. A Europa, febril, não pode fazer mais do que esperar o resultado destas incertas eleições presidenciais”, diz a enviada da euronews ao comício de Le Pen, em Lyon, Anne Devineaux.