Última hora

Última hora

"Parem de brincar com o fogo", diz primeiro-ministro da Grécia aos credores

Alexis Tsipras discursou numa reunião do seu partido, o Syriza, e deixou mensagens para o FMI e para o ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble

Em leitura:

"Parem de brincar com o fogo", diz primeiro-ministro da Grécia aos credores

Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro da Grécia avisou os credores internacionais para não insistirem no agravamento dos encargos do país que tem vindo a ser exigido nas negociações com vista a desbloquear o plano de resgate internacional em curso.

Point of view

Credores rejeitam tomar qualquer decisão antes da realização de eleições cruciais a decorrer este ano na Holanda, em França e, em especial, na Alemanha, onde se teme a ascensão da extrema-direita.

Alexis Tsipras Primeiro-ministro da Grécia

Durante uma reunião do Syriza, o partido que lidera, Alexis Tsipras dirigiu uma mensagem ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e ao ministro alemão das Finanças. O chefe do Governo helénico pediu para pararem de “brincar com o fogo” e começarem a ser “razoáveis” nas exigências ao povo grego, que “tem feito e continua a fazer sacrifícios em nome da Europa”, disse Tsipras.

“Embora toda a gente na Europa perceba que uma generosa redução da dívida seja inevitável e irá acontecer mais cedo ou mais tarde, os credores rejeitam tomar qualquer decisão antes da realização de eleições cruciais a decorrer este ano na Holanda, em França e, em especial, na Alemanha, onde se teme a ascensão da extrema-direita”, afirmou Tsipras perante os camaradas de partido.

A Grécia tem de pagar em julho mais uma fatia de sete mil milhões de euros referente ao último resgate internacional, mas Atenas e os credores encontram-se num impasse.

A Alemanha opõe-se ao FMI num alívio substancial da dívida grega e Atenas opõe-se às novas exigências do FMI. Tsipras mantém-se confiante num acordo razoável. O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, manifesta-se cético. A negociação arrasta-se e o financiamento da Grécia volta a estar em risco.