Última hora

Em leitura:

Candidato de Trump ao Supremo defende juízes sem criticar ataques do presidente


EUA

Candidato de Trump ao Supremo defende juízes sem criticar ataques do presidente

“NInguém está acima da lei, nem mesmo o presidente dos Estados Unidos”. Neil Gorsuch, o candidato de Donald Trump ao lugar vago no Supremo Tribunal defendeu a sua independência face ao poder político, no segundo dia frente à comissão de Justiça do Senado.

Ao longo de 11 horas de audição, o juiz, defensor da pena de morte, evitou partilhar as suas convicções sobre o casamento homossexual, a contraceção ou o aborto.

Pressionado pelos senadores democratas, Gersuch criticou os ataques recentes contra o poder judicial, mas sem nunca se referir a Trump:

“Eu conheço estas pessoas, e sei que são decentes e quando alguém critica a sua honestidade, integridade ou as motivações de um juiz federal, parece-me algo desmotivante e desmoralizante, pois eu conheço a realidade”.

As audições deverão prolongar-se até ao início de Abril, marcadas sobretudo pelas declarações do presidente que, ontem, voltou a criticar como “ridículo”, o bloqueio do segundo decreto anti-imigração.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, entrou igualmente no debate para desmentir, através da sua conta no Twitter, que Gersuch tenha criticado diretamente as posições de Trump.

A nomeação de Gorsuch necessita de pelo menos 60 votos para ser confirmada, quando a maioria republicana contabiliza 52 lugares no Senado.

Trump tinha defendido a escolha do juiz do Colorado, depois de prometer nomear um magistrado contrário ao aborto para ocupar a nona cadeira do Supremo e restabelecer a maioria conservadora no organismo.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Bélgica

Bruxelas: Um ano depois, um minuto de silêncio