This content is not available in your region

Síria: ataque com gás tóxico provoca a morte de dezenas de civis na província de Idlib

Access to the comments Comentários
De  Luis Guita
Síria: ataque com gás tóxico provoca a morte de dezenas de civis na província de Idlib

<p>Dezenas de civis morreram, esta terça-feira, na Síria, em consequência de um alegado ataque com armas químicas. </p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">At least 58 killed in alleged Idlib gas attack; Syrian military source denies army used any such weapons <a href="https://t.co/zCvDKIhDbF">https://t.co/zCvDKIhDbF</a> <a href="https://t.co/ADxt7GXHOF">pic.twitter.com/ADxt7GXHOF</a></p>— Reuters Top News (@Reuters) <a href="https://twitter.com/Reuters/status/849261042001739777">April 4, 2017</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>O ataque em Khan Chikhoun, na provincia de Idlib, nordeste do país, aconteceu na terça-feira de manhã, provocou a morte a pelo menos 58 pessoas, entre as quais 11 crianças, e feriu 150. </p> <p>A província de Idlib é controlada pela oposição ao Presidente Bashar Al-Assad. </p> <p>O médico britânico Shajul Islam, voluntário na Síria, alegou que “gás sarin” foi usado no ataque à cidade de Khan Shaykhun, em Idlib. Islam partilhou um vídeo onde mostra pacientes que descreve como sendo vítimas de gás Sarin: “O hospital está a abarrotar de pessoas que foram atingidas com um agente químico. Isto não é cloro, já vimos muitos ataques com cloro. As pupilas desde paciente revelam.” </p> <p>O Observatório Sírio dos Direitos Humanos, que tem base na Grã-Bretanha, afirma que os bombardeamentos foram realizados por aviões sírios ou russos. </p> <p>As forças armadas russas já negaram ter realizado um ataque aéreo na zona de Khan Cheikhoun. </p> <p>Bashar A-Assad tem negado o uso de armas químicas, mas relatórios da <span class="caps">ONU</span> concluíram da responsabilidade do Estado em ataques semelhantes. </p> <p>Algumas das vítimas do ataque já foram evacuadas para a Turquia.</p>