Última hora

Em leitura:

GP de judo de Antália: Um ouro para a Turquia e Yahima em quinto


Desporto

GP de judo de Antália: Um ouro para a Turquia e Yahima em quinto

A Turquia celebrou finalmente, no terceiro e último dia de competição, uma medalha de ouro no Grande Prémio de judo de Antália.

Depois da prata na véspera na final masculina de -73kg, este domingo Kayra Sayit (na foto, em cima, a esquerda) conseguiu finalmente o público da casa a ouvir o hino ao vencer a final feminina de mais de 78 quilos.

De resto, destaque para a participação portuguesa com mais um quinto lugar, o de Yahima Ramirez em menos de 78 quilos.


Quadro feminino

-78kg
Abrimos o resumo deste terceiro e último dia de competição no GP de Antália com a categoria onde Portugal voltou a subir ao tatâmi.

Yahima Ramirez participou em quatro combates e acabou na quinta posição. Após duas derrotas a abrir, ambas com três penalizações, a judoca portuguesa foi à repescagem e ganhou o acesso à disputa do bronze.

Na luta pela medalha, Yahima Ramirez voltou a ser derrotada com uma terceira penalização já no prolongamento (“ponto de ouro”).

No duelo pelo ouro, a favorita Anastasiya Dmitrieva derrotou Yarden Mayersohn. A russa fez valer a maior experiência sobre a israelita, que conquistou a primeira medalha da carreira em provas da Federação Internacional de judo (FIJ).

Ouro: Anastasiya Dmitrieva (Rus);
Prata: Yarden Mayersohn (Isr);
Bronze: Albina Amangeldiyeva (Caz) e Zarina Raifova (Caz).


+78kg
Na final de pesos pesados femininos, os adeptos da casa puderam finalmente ouvir o hino neste grande prémio de Antália.

Diante de Larisa Ceric, da Bósnia e Herzegovina, Kayra Sayit contou com os cânticos dos compatriotas desde a entrada na arena do pavilhão.

Após um minuto e meio de luta, a turca contabilizou o primeiro ponto e depois teve de controlar as iniciativas da adversária para segurar o triunfo. Sayit conseguiu-o e a festa “rebentou” nas bancadas.

Ouro: Kayra Sayit (Tur);
Prata: Larisa Ceric (BHz);
Bronze: Munkhtuya Battulga (Mon) e Kubra Kara (Tur).


Quadro masculino

-90kg
A primeira final masculina deste derradeiro dia do GP de Antália apôs o sétimo classificado de há uma semana em Tbilisi, o mongol Altanbagana Gantulga, a Komronshokh Ustopiriyn, do Tajiquistão, judoca que também somava apenas dois sétimos lugares (Paris e Dusseldorf) este ano.

Os dois finalistas procuraram de forma intensa os pontos. Não o conseguiram e foi preciso um prolongamento (“ponto de ouro”) para decidir a medalha de ouro.

Com apenas dois segundos disponíveis, Gantulga surpreendeu Ustopiriyn e pôde colocar o pavilhão a ouvir o hino da Mongólia.

Ouro: Altanbagana Gantulga (Mon);
Prata: Komronshokh Ustopiryon (Taj);
Bronze: Magomed Magomedov (Rus) e Aleksandar Kukolj (Ser).


-100kg
Na penúltima final masculina do grande prémio, voltou a surgir Maxim Rakov, um judoca do Cazaquistão de 31 anos, campeão do mundo em 2009, vencedor do World Masters em 2012 e um dos mais medalhados da categoria.

Do outro lado, surgiu o russo Adlan Bisultanov, de 27 anos e também já com 11 medalhas no currículo. Rakov apresentou-se algo passivo, foi penalizado por isso.

Bisultanov conseguiu marcar um ponto e depois bastou-lhe controlar o desenrolar da final para garantir mais uma medalha de ouro para a Rússia.

Ouro: Adlan Bisultanov (Rus);
Prata: Maxim Rakov (Caz);
Bronze: Elkhan Mammadov (Aze) e Niyaz Ilyasov (Rus).


+100kg
Na derradeira final do quadro masculino, foi dado mais um passo na afirmação nos “pesos pesados” do campeão do mundo de 2014 e atual campeão olímpico de menos de 100 quilos, o checo Lukas Krpalek.

Do outro lado esteve Iurii Krakovetskii. O judoca do Quirguistão somava quatro medalhas em eventos da FIJ, mas ainda procurava o primeiro ouro.

Depois de ter percorrido com alguma facilidade os duelos necessários para chegar à final, Krpalek tentou impor o ritmo da final, mas Krakovetskii respondeu bem.

A “ratice” do checo acabou por ser determinante para aproveitar um pequeno erro do adversário, conquistar a primeira medalha de ouro na carreira na principal categoria do judo masculino.

O triunfo de Krpalek aumentou a “água na boca” dos adeptos do judo pelo dia em que o checo irá enfrentar pela primeira vez o francês Teddy Riner, o atual “rei” da modalidade, invencível desde 2010.

Ouro: Lukas Krpalek (RCh);
Prata: Iurii Krakovetskii (Qui);
Bronze: Zarko Culum (Ser) e Musa Tumenov (Rus).