Última hora

Última hora

Centenário das Aparições: Primeira peregrinação organizada da Guiné-Bissau

Grupo com cerca de uma centena de guineenses chegou a Portugal quinta-feira e, ao Santuário de Fátima, esta sexta-feira de manhã, para rezar pelo futuro e a paz no respetivo país.

Em leitura:

Centenário das Aparições: Primeira peregrinação organizada da Guiné-Bissau

Tamanho do texto Aa Aa

Com uma enorme bandeira vermelha, amarela e verde, perto de 100 guineenses preparam-se para acompanhar, até ao princípio da tarde de sábado, as cerimónias de Fátima, na que é a primeira peregrinação organizada na Guiné-Bissau desde a independência.

O grupo, que chegou quinta-feira a Lisboa vindo de Bissau, pernoitou em casas de familiares na capital portuguesa, tendo chegado ao final da manhã desta sexta-feira ao recinto do Santuário de Fátima, horas antes da chegada do papa Francisco, que vai presidir às celebrações do Centenário das Aparições.

“É a nossa fé que nos traz aqui. Precisamos de rezar pelo nosso país, pelas famílias e pelo mundo, para que haja paz e conversão”, disse à Lusa Ema Mendonça, que preside à comissão que organizou o grupo de 85 pessoas vindas de Bissau, a que se juntaram mais 10 guineenses a residir em Lisboa.

“Não tivemos nenhum financiamento como outras peregrinações têm. Tanto que as pessoas tiveram que se albergar em casas de familiares”, cada um teve que financiar a sua viagem e a noite de hoje vai ser passada no recinto do santuário, a acompanhar as cerimónias, disse.

Rezar pela Guiné-Bissau “é um imperativo”, porque precisa “estabilidade, harmonia, paz e desenvolvimento”, mas as orações do grupo guineense vão também para o mundo, que, “tal como há cem anos quando nossa senhora pediu pela conversão e a paz no mundo”, está a caminhar para a mesma “instabilidade”.

“Vamos rezar para que se evite uma guerra mundial, para que não haja mais guerra e haja paz no mundo”, disse.

Concentrados num dos extremos do recinto, a bandeira dos guineenses cruzou-se com a bandeira do Brasil transportada por um grupo vindo de S. Paulo, pretexto para uma animada conversa e o entoar em conjunto de cânticos religiosos.

O papa vai estar esta sexta-feira e sábado em Fátima para celebrar o centenário das “aparições” de 13 de maio de 1917 e para canonizar os beatos Francisco e Jacinta Marto.

Francisco, que partiu de Roma às 13:12, é recebido na Base Aérea de Monte Real cerca das 16:20, onde será recebido pelo Presidente da República, primeiro-ministro e presidente da Assembleia da República, além do Núncio Apostólico, do presidente da Conferência Episcopal Portuguesa e do bispo de Leiria-Fátima.

Jorge Mario Bergoglio é o quarto papa a visitar Fátima. Os anteriores papas que estiveram no maior templo mariano do país foram Paulo VI (1967), João Paulo II (1982, 1991, 2000) e Bento XVI (2010).

Texto: Lusa (MLL)
Edição: Francisco Marques