This content is not available in your region

Cronologia de uma tentativa de golpe de Estado falhada

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Cronologia de uma tentativa de golpe de Estado falhada

<p>Sexta-feira de 15 de julho de 2016, por volta das 22 horas…</p> <p>A noite de Istambul, na Turquia, era perturbada. </p> <p>Um grupo de soldados rebeldes saiu para as ruas, munidos de armas e de tanques. O objetivo, derrubar o Governo do presidente Recep Tayyip Erdogan.</p> <p>As pontes do Bósforo e Fatih Sultan Mehmet foram encerradas.</p> <p>O primeiro-ministro, Binali Yildrim, denunciava uma “tentativa ilegal” de tomada do poder por um grupo de soldados. </p> <p>Um pouco depois da meia-noite, um comunicado das forças armadas turcas anunciava a proclamação da lei marcial e impôs o recolher obrigatório em todo o país. </p> <p>Nesta altura, grupos armados avançavam, também, sobre a capital, Ancara.</p> <p>Os acessos às redes sociais ficam restritos.</p> <p>Ancara e Istambul são palco de cenas de violência. </p> <p>Numa entrevista a uma televisão turca, Recep Tayyip Erdogan interrompe as férias em Marmaris e apela aos turcos para que saiam para as ruas, invadam as praças e os aeroportos e lutem contra os insurgentes</p> <p>As forças leais ao governo combatem os rebeldes, enquanto milhares de pessoas saem paras as ruas. Aviões de caça voam a baixa altitude na metrópole, e o Parlamento é alvo de uma série de ataques aéreos. Mais tarde, um avião lança uma bomba perto do palácio presidencial.</p> <p>Por voltas das 3 horas da manhã Erdogan. chega a Istambul, onde é recebido por uma multidão.</p> <p>O presidente denuncia uma traição liderada por militares com ligações a Fethullah Gullen, um clérigo exilado nos Estados Unidos da América, desde 1999.</p> <p>Durante a madrugada de sábado, dezenas de soldados rendem-se e entregam as armas às forças de segurança na ponte onde horas antes tudo começou, a Ponte sobre o Bósforo, em Istambul.</p> <p>A tentativa para derrubar o Governo de Recep Tayyip Erdogan, na noite de 15 para 16 de julho 2016 fez 249 mortos e mais de dois mil feridos.</p>