Última hora

Terceiro dia dos mundiais de Judo em Budapeste

Mongólia contra o gigante japonês. Foi assim a final da categoria feminina de -57 kg no terceiro dia dos campeonatos mundiais, em Budapeste.

Em leitura:

Terceiro dia dos mundiais de Judo em Budapeste

Tamanho do texto Aa Aa

Mongólia contra o gigante japonês. Foi assim a final da categoria feminina de -57 kg no terceiro dia dos campeonatos mundiais, em Budapeste.

Foi uma luta espetacular entre as duas judocas. Nove minutos de ponto de ouro, numa luta de 13 minutos, com direito a um brilhante waza-ari, por Dorjsuren, frente ao seu presidente, Khaltmaa Battulga.

A Judoca da Mongólia não só obteve a primeira medalha de ouro para o seu país, como conseguiu travar a imparável equipa do Japão. A mesma categoria que valeu à portuguesa Telma Monteiro o quinto lugar:

“Sim, consegui! O presidente da Federação de Judo da Mongólia tornou-se presidente do país. Queria ganhar esta medalha de ouro como presente, para ele. E foi isso que fiz”, referiu a judoca mongol.

Mas o Japão recuperou. Numa espécie de “remake” da final feminina, o número um do mundo e imperturbável, Soichi Hashimoto, defrontou o número 2 mundial, Rustam Orujov, do Azerbaijão, na última luta masculina do dia, a final da categoria de -73kg.

Outra grande luta mas desta vez o japonês não falhou. Ao vencer novamente, e depois de 3 dias de competição, podemos dizer que, em termos globais, ganha o Japão, por cinco, contra um para o Resto do Mundo:

“Sofri uma pequena lesão, duas ou três semanas antes dos campeonatos mundiais e, por isso, não consegui treinar. Então, visualizei o que precisava de fazer para vencer. Como resultado, obtive a medalha de ouro e é isso que importa”, adiantou Hashimoto.

O convidado de hoje é outra lenda, mas não do judo. O cubano Alberto Juantorena ganhou a medalha de ouro nos 400 e 800m, em 1976, nos Jogos Olímpicos de Montreal. Uma performance única que ninguém conseguiu ainda igualar:

“Há algo que eu admiro no Judo. A disciplina, a atitude marcial para alcançar a perfeição. O que o Judo acrescenta à sociedade, às crianças e jovens é educação. Ensina e educa. Os judocas são respeitadores, agradáveis, apertam as mãos depois de uma luta. Isso não tem preço no Judo, no Atletismo e na vida em geral”, explicou o antigo atleta espanhol.

Momento do Dia

Na quarta ronda, Lasha Shavdatuashvili, campeão olímpico de Londres, fez um espetacular ippon contra o eslovaco Martin Hojak. Um movimento digno de nota, o momento do dia.