This content is not available in your region

Damasco acusa Israel de ataque em zona militar da província de Hama

Access to the comments Comentários
De  Antonio Oliveira E Silva
Damasco acusa Israel de ataque em zona militar da província de Hama

<p>O exército sírio diz que pelo menos dois soldados morreram num ataque aéreo levado a cabo pelo exército de Israel na província de Hama (coentro-oeste), atingindo uma zona militar.</p> <p>Segundo as tropas sírias, o ataque terá tido lugar perto da cidade de Masyaf. </p> <p>Damasco disse, em comunicado, que a operação “poderia ter repercursões perigosas para a segurança e a estabilidade na região”. </p> <p>As autoridades israelitas recusaram-se a comentar o comunicado sírio. <br /> <br /> <strong>Local alegadamente atingido ligado à produção de armas químicas</strong><br /> <br /> Segundo o chamado Observatório Sírio dos Direitos Humanos, grupo citado pela agência Reuters, o local está ligado à produção de armas químicas. </p> <p>A Euronews não confirmou a exatidão das informações avançadas pelo grupo, regularmente citado como fonte pelas principais agências internacionais de informação. </p> <p>O Observatório diz que o local tem o nome de Centro de Estudos Científicos e de Investigação, entidade que Washington diz ser um centro de produção de armas químicas. </p> <p>O ataque teve lugar depois das Nações Unidos terem acusado o Governo de Basha al-Assad de lançar um ataque com gás sarin no passado mês de abril, algo que Damasco nega.</p> <p>Segundo a <span class="caps">ONU</span>, pelo menos 80 pessoas morerram e 27 ficaram feridas na localidade de Khan Sheikhoun, província de Idlib.<br /> <br /> <strong>Ataques visam movimento xiita libanês Hezbollah</strong><br /> <br /> Segundo o Observatório, os ataques atingiram também um campo perto de um centro utilizado como depósito de armas onde terão sido vistos membros do Hezbollah libanês, próximo do Irão. </p> <p>O movimento xiita é um dos principais aliados de Assad e vive em confronto com Telavive. </p> <p>Israel diz que há material químico e armas em mãos do Hezbollah, cuja origem é atribuida ao centro de investigação em Hama, alegadamente bombardeado pelo exército.</p> <p><strong>Com Reuters</strong></p>