Última hora

Presidente da Geórgia teme que Brexit desacelere o alargamento da UE a leste

Entrevista exclsuiva com Giorgi Margvelashvili: Presidente da Geórgia teme que Brexit desacelere o alargamento da UE a leste

Em leitura:

Presidente da Geórgia teme que Brexit desacelere o alargamento da UE a leste

Tamanho do texto Aa Aa

Há quase seis meses que os cidadãos da Geórgia beneficiam da isenção de vistos para entrarem na área Schengen de livre circulação, um dos benefícios do Acordo de Associação com a União Europeia, que entrou em vigor em julho de 2016.

Este país do Cáucaso, e antiga república soviética, almeja entrar o mais cedo possível na União Europeia por razões políticas, económicas e de segurança.

Na memória está, ainda, fresca a guerra de cinco dias com a Rússia, em 2008, que levou à perda do controlo das regiões da Ossétia do Sul e da Abcázia, cuja autoproclamada independência é apenas reconhecida pelo governo de Moscovo.

Essa ameaça constante e os esforços para modernizar a economia e lutar contra a corrupção granjearam o apoio da União Europeia e a inclusão do país na sua Parceria do Leste.

A União Europeia é o maior parceiro comercial da Geórgia e dá mais de 100 milhões de euros, anualmente, em assistência técnica e financeira.

Tudo isto deu esperança ao país de entrar em breve no clube. Mas os problemas internos da própria comunidade, que pela primeira vez tem um Estado-membro que quer sair, fazem temer uma longa espera.

O Brexit e as influências da Rússia foram temas em destaque na entrevista do jornalista da euronews, Sergio Cantone, ao presidente da Geórgia, Giorgi Margvelashvili.

euronews: Senhor Presidente, não receia que os problemas na União Europeia, entre os seus países-membros, possam afetar a relação da União Europeia com a Geórgia, ou mesmo com a Ucrânia, que são ex-países soviéticos?

Presidente da Geórgia: Penso que esses problemas, os desafios que a União Europeia enfrenta, estão a desacelerar a integração da Geórgia. Não diria que, eventualmente, vão afetar o processo europeu ou mesmo travar a integração da Geórgia, mas estão definitivamente a desacelerar o processo.

euronews: Porquê?

Presidente da Geórgia: Bem, é óbvio que a União está construída com base na tentativa de ter um mecanismo de decisão democrática e inclusivo entre os Estados-membros, mas quando existe ambiguidade sobre algumas questões, tais como o Brexit, então a tomada de decisão desacelera e, claro, o fator russo é também chave neste processo.

euronews: Porquê? Qual é o fator russo? Qual é a conexão entre o fator russo e essas divisões dentro da União Europeia?

Presidente da Geórgia: Quando falo do fator russo não é no contexto das divisões da União Europeia, mas o fator russo na medida do seu envolvimento mais ativo na Ucrânia, na Geórgia e nos outros vizinhos da Rússia no que respeita ao processo europeu, porque a Rússia tem reagido de forma muito agressiva…

euronews: Sim, mas a Rússia, ao mesmo tempo, parece ter excelentes relações com alguns dos membros da União Europeia …

Presidente da Geórgia: Infelizmente, vemos que o preço a pagar por essas boas relações é, por vezes, o aumento da tensão na região, com impacto final em alguns países. Sei que quando se constrói um relacionamento bilateral com o governo de Moscovo e se esquecem os princípios, os valores básicos e a lei internacional, eventualmente os problemas acabarão por regressar. Essa é a lei da história.

euronews: Como chefe de Esstado de um país pós-soviético, o que é que pensa sobre o Brexit e outros, digamos, pequenos conflitos na União Europeia?

Presidente da Geórgia: Quando olhamos para o Brexit, esperamos que esse processo seja profundamente analisado e que sejam tiradas conclusões. As conclusões devem servir para melhorar a União Europeia e evitar o processo de desintegração. Sei que, de tempos a tempos, há uma forte retórica sobre o Brexit, mas acredito que haverá bom senso na abordagem política europeia.

euronews: Sim, mas, numa chamada Europa a duas velocidades, poderá haver mais oportunidades para países tais como o seu, bem como a Ucrânia e a Moldávia, se juntarem ao segundo grupo. Não acha?

Presidente da Geórgia: Ainda não sabemos exatamente como será isso. Este grupo não faz parte da União Europeia, não é uma estrutura formal. Este grupo e etapas existentes dão-nos maiores possibilidades de nos aproximarmos da Europa, de uma forma ou de outra. Penso que, da perspectiva da Geórgia, é muito interessante que haja outros passos para a integração. É exatamento por isso que aguardamos por mais passos que nos levem até à meta final, que é passar a ser membro da União Europeia.