Última hora

Última hora

Refugiados com esperança no futebol

«Hope Refugee Football Club» é a primeira equipa de futebol formada por refugiados e requerentes de asilo. Os jogadores vêm da Síria, Afeganistão, Irão e de muitos outros países. Antonis Nikopolidis, um dos melhores guarda-redes gregos de todos os tempos, é o diretor técnico da equipa.

Em leitura:

Refugiados com esperança no futebol

Tamanho do texto Aa Aa

«Hope Refugee Football Club» é a primeira equipa de futebol formada por refugiados e requerentes de asilo. «Earth Refugee», é a ONG que iniciou a atividade em 2015 no porto do grego de Pireu e implementa o programa.

Os jogadores vêm da Síria, Afeganistão, Irão e de muitos outros países. Treinam três vezes por semana e, por enquanto, jogam com equipas amadoras. No ano passado, realizaram 35 jogos e perderam 8.

“O futebol é o amor da minha vida. Não tenho namorada, eu só tenho a bola. Fiz muitos amigos de diferentes países. Não precisamos de falar uma língua estrangeira para jogar futebol, comunicamos sem palavras,“afirma o jovem marroquino Abdessadek Chahiwe

Devido ao programa de recolocação, alguns jogadores deixaram a Grécia. Por isso, a equipa tenta encontrar novos jogadores.

Antonis Nikopolidis é o diretor técnico da equipa. É considerado um dos melhores guarda-redes gregos de todos os tempos. Nikopolidis desempenhou um papel fundamental no triunfo da Grécia no Euro 2004.

“Na televisão é diferente. Claro que nos podemos emocionar com o drama dessas pessoas mas, em certa medida, fica-se ausente, não se está envolvido. O meu trabalho com a equipa, ajudou-me a ficar mais próximo, a conhecê-los melhor. Se tentarmos, nós podemos ajudar. Podemos melhorar a vida dos refugiados,” revela Antonis Nikopolidis.

“No início da crise dos refugiados, as ONG tentavam responder às necessidades imediatas, como alimentação, habitação e cuidados de saúde. Posteriormente, perceberam que milhares de refugiados precisam de passar o tempo de forma criativa. O programa «Hope Refugee» é um dos casos que serve este fim,” esclarece o correspondente da Euronews, Apostolos Staikos