Última hora

Última hora

Famílias do ARA San Juan recebem apoio dos argentinos e culpam a Marinha

Várias centenas de pessoas dirigiram-se à base naval de Mar del Plata para expressarem a sua solidariedade com as famílias da tripulação do ARA San Juan.

Em leitura:

Famílias do ARA San Juan recebem apoio dos argentinos e culpam a Marinha

Tamanho do texto Aa Aa

Entre a raiva e a solidariedade. Assim vivem as famílias dos 44 tripulantes do submarino argentino ARA San Juan, desaparecido no passado dia 15 ao largo da costa sul do país.

Com gritos de “assassinos” e cânticos espontâneos do hino nacional, cerca de 500 pessoas rodearam a base naval de Mar del Plata para dar algum conforto aos familiares, depois de dez dias sem qualquer sinal da embarcação.

As famílias apontam o dedo à marinha pela alegada falta de manutenção do submarino e por não partilhar toda a informação. Porém, o presidente argentino, Mauricio Macri, já disse que até se encontrar o ARA San Juan não é tempo de atirar culpas.


Apesar de ter anunciado que o som de uma explosão foi reportado perto da última localização conhecida do ARA San Juan, a marinha argentina não quer assumir nesta fase a possível perda de toda a tripulação e está sob forte contestação. “Estamos ao mesmo tempo numa fase de esperança e desesperança. Não vamos fazer suposições ou conjecturas, devemos ser guiados apenas por provas sólidas. O último relatório aponta uma explosão e estamos a tentar localizar e detetar o submarino nessa área”, afirmou Enrique Balbi, porta-voz da Marinha argentina.

Entretanto, já chegou à Argentina o avião russo Antonov equipado com material com capacidade de deteção até 6000 metros de profundidade. Depois de aterrar em Comodoro Rivadavia, o avião seguiu para Ushuaia, o ponto de onde o submarino iniciou a sua última viagem.


Numa corrida contra o tempo e em que as esperanças diminuem a cada dia que passa, o governo argentino não abranda as buscas e continua a contar com a ajuda internacional.