Última hora

Última hora

Que estratégia promete Macron para África?

O presidente francês não escondeu ao que vem à chegada ao Burkina Faso. "É uma nova etapa na nossa relação com este continente", declarou.

Em leitura:

Que estratégia promete Macron para África?

Tamanho do texto Aa Aa

O mínimo que se pode dizer é que a primeira incursão de Emmanuel Macron a África era muito aguardada. Os três dias de passagem começaram pelo Burkina Faso, onde à chegada o presidente francês não escondeu ao que vem. "É uma nova etapa na nossa relação com este continente", declarou.

Mas em que consiste precisamente esta renovada estratégia gaulesa que promete marcar a rutura com um criticado paternalismo relativamente às antigas colónias?

Parcerias e incentivos aos jovens são palavras de ordem. Pierre Jacquemot, antigo embaixador francês em vários países africanos, considera o seguinte:

"É muito interessante porque, até agora, recorríamos aos conceitos de ajuda e de assistência técnica em relação a África. Hoje em dia, o discurso de Macron consiste em apelar aos africanos para que assumam eles próprios a responsabilidade através da criação de empresas. Ele pretende sublinhar o dinamismo que é notório em várias capitais africanas, com o surgimento de várias incubadoras, de startups."

Outra prioridade anunciada de Macron é a luta contra os grupos jihadistas. E isso passa por convencer os parceiros europeus a apoiar financeiramente a nova coligação do G5 Sahel, que congrega o Burkina Faso, o Mali, a Mauritânia, o Níger e o Chade.

Outra frente de batalha é aquilo a que Macron já chamou de "crimes contra a Humanidade": o tráfico de migrantes que tentam alcançar a Europa, nomeadamente a partir da Líbia, sendo que muitos estão a ser vendidos como mão de obra escrava.