Última hora

Última hora

Missa de Natal em Belém marcada pelos acontecimentos em Jerusalém

Em leitura:

Missa de Natal em Belém marcada pelos acontecimentos em Jerusalém

Missa de Natal em Belém marcada pelos acontecimentos em Jerusalém
Tamanho do texto Aa Aa

Uma missa marcou o início do Natal este domingo na Igreja da Natividade, na cidade palestiniana de Belém.

Como acontece todos os anos, a missa contou com a presença de crentes de todo o mundo, ainda que em menor número do que o habitual, por causa do intensificar das tensões entre palestinianos e israelitas, nas últimas semanas.

Manifestantes dos Territórios Palestinianos Ocupados têm manifestado o desagrado com a decisão da parte do presidente Trump em reconhecer a cidade de Jerusalém, incluida a parte anexada pelo exército Israelita, como a capital do Estado de Israel.

Administrador Apostólico de Jerusalém diz que paz deve incluir todos

A missa contou com a presença do presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas e do Arcebispo Pierbattista Pizzaballa, para quem "Jerusalém é uma cidade de paz não pode haver paz se alguém for excluido."

Pierbattista Pizzaballa referiu-se ao tema que opõe Israelitas e Palestinianos e que opôs os Estados Unidos a grande parte da Comunidade Internacional. Pediu aos políticos que tivessem "coragem", referindo-se a Jerusalém como um lugar que deve ser "servido" e não "possuído".

Trump, os palestinianos e Jerusalém

Foi no início deste mês de dezembro que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, decidiu mudar décadas de política externa norte-americana e reconheceu Jerusalém como a capital do Estado de Israel.

O presidente Trump anunciou também que os Estados Unidos tinham a intenção de trasladar a embaixada da cidade de Telavive, reconhecida como capital pela Comunidade Internacional, para Jerusalém, que Israel considera como a capital.

O anúncio deu origem a protestos e confrontos nos Territórios Palestinianos Ocupados, a Cisjordânia e a Faixa de Gaza. Na cidade de Belém, têm sido registados confrontos quase todos os dias. Vários palestinianos morreram em confrontos com a polícia Israelita nos últimos dias.