Última hora

Última hora

Maputo reabre processo ao rapto do português Américo Sebastião

Em leitura:

Maputo reabre processo ao rapto do português Américo Sebastião

Maputo reabre processo ao rapto do português Américo Sebastião
Tamanho do texto Aa Aa

Há pouco mais de dois anos era raptado, em Moçambique, um empresário português. Desde essa altura que a família de Américo Sebastião, e em particular a sua mulher, Salomé, procura respostas que tardam em aparecer. Esta quinta-feira o Ministério Público moçambicano anunciou que vai reapreciar o processo. A decisão deixa contente Salomé Sebastião:

"Acho que é uma excelente decisão a reapreciação, a reabertura do processo, uma vez que há muitas diligências que foram em tempos solicitadas e que não foram realizadas. Umas também foram preteridas, em função de outras, outras deixadas a meio. Acho muito bom porque é uma forma de conseguirmos localizar o Américo".

Américo Sebastião foi raptado numa bomba de gasolina na Beira, em julho de 2016. A mulher espera que a visita de António Costa a Moçambique, e a III Cimeira Luso-moçambicana, sirvam para trazer alguma luz ao desaparecimento sobre o qual muito pouco se sabe:

"Eu, realmente, tenho muita esperança nesta cimeira. Que possa, em diálogo aberto e franco, olhos nos olhos, o nosso primeiro-ministro e toda a sua comitiva, em reuniões ao mais alto nível e com diversos membros do governo moçambicano, possam encontrar a forma, acionar mecanismos corretos para que seja localizado o Américo o mais rapidamente possível, porque já lá vai muito tempo".

Incansável, e crente no facto de que o seu marido está algures em Moçambique, submeteu, há um ano, uma petição à Assembleia da República de Moçambique, até hoje não obteve resposta:

"Em relação à petição, em Moçambique, não sabemos onde ela está, nem temos nenhuma comunicação sobre aquilo que aconteceu à mesma. Não sabemos absolutamente nada. Em relação à petição à Assembleia da República portuguesa ela irá ser discutida, em plenário, no próximo dia 18 de julho, e esperamos que, os grupos parlamentares se envolvam e que encontrem, e tragam, medidas concretas para que o objetivo possa ser atingido, que é a localização do Américo. O que eu acredito é que há interesse de Portugal e de Moçambique em que tudo isto fique esclarecido", diz Salomé Sebastião.