Chineses pedem boicote às marcas que criticam situação em Xinjiang

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com Lusa
Chineses pedem boicote às marcas que criticam situação em Xinjiang
Direitos de autor  Greg Baker/AP

Continua a aumentar a tensão entre a China e o Ocidente por causa da situação em Xinjiang.

Várias celebridades chinesas estão a apelar ao boicote à H&M e à Nike, duas das marcas de retalho que mostraram preocupação pelo alegado uso de mão-de-obra forçada da minoria muçulmana uigur na produção de algodão. 

As declarações da Nike e da H&M foram feitas no ano passado, mas ganharam relevo esta semana depois da União Europeia, Estados Unidos, Reino Unido e Canadá anunciarem a imposição de sanções contra a China.

Segundo os ativistas de defesa dos direitos humanos, mais de um milhão de uigures e outras minorias foram mantidos ou continuam em "campos de trabalhos forçados" nesta região do noroeste do país.

A China nega as acusações, afirmando que as instalações são "centros de formação profissional". Esta quinta-feira, a porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros disse que "o povo chinês não vai permitir que alguns estrangeiros comam o arroz da China enquanto esmagam as suas taças". Hua Chunying falou em "ataque maliciosos com base em rumores e mentiras, que prejudicam os interesses da China".

Refugiados uigures manifestam-se contra a visita de MNE chinês

Cerca de mil cidadãos de origem uigur manifestaram-se esta quinta-feira contra a visita do chefe da diplomacia chinesa à Turquia. Em frente ao consulado da República Popular da China em Istambul, os manifestantes mostraram cartazes com frases contra o “genocídio” e os “campos de trabalho forçado”.

A minoria muçulmana uigur é originária da província de Xinjiang. Várias organizações não-governamentais acusam o regime de Pequim de perseguição contra os uigures e pedem o encerramento dos "campos de trabalhos forçados".