This content is not available in your region

Variante Ómicron já domina nos EUA, com 73% das infeções

Access to the comments Comentários
De  Maria Barradas  com AP
Variante Ómicron já domina nos EUA, com 73% das infeções
Direitos de autor  Ted Shaffrey/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.   -  

Nos Estados Unidos crescem os receios à medida que a variante Ómicron se impõe por todo o território, sendo já responsável por 73% das infeções.

Com a quadra natalícia à porta, os centros de testagem apresentam enormes filas. Em Washington DC, uma mulher afirma: "Estou contente por ver que as pessoas estão a ser testadas se vão viajar - presumo que isso seja parte da razão pela qual o estão a fazer, com as próximas férias - mas também é provavelmente porque muitas pessoas começam a não se sentir muito bem com a nova variante Ómicron, por isso estou um pouco... É dececionante e... É uma mistura de emoções".

Espera-se um discurso de Joe Biden esta terça-feira e face à especulação de que possa anunciar medidas de confinamento, a secretária da Casa Branca, Jen Psaki afirmou: "Não é um discurso sobre o encerramento do país, mas sim um discurso delineando e sendo direto e claro com o povo americano sobre os benefícios de ser vacinado, as medidas que vamos tomar para aumentar o acesso e aumentar os testes e os riscos colocados aos indivíduos não vacinados. "

O conselheiro para as questões da pandemia, Antony Fauci, lembra que a vacina reduz as formas severas da Covid-19 e repete: "Se fizermos o que temos vindo a recomendar de forma muito repetitiva e intensiva: vacinação, reforço, mitigação com máscaras em cenários de congregação, ao longo do tempo sentimo-nos confiantes de que conseguiremos controlar isto".

Os peritos não se cansam de repetir que as vacinas não conseguem proteger completamente contra a infeção, mas podem reduzir as hospitalizações e as mortes.

Os EUA têm uma média de quase 130.500 novos casos COVID-19 por dia, contra cerca de 122.000 por dia há duas semanas, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

O anúncio do domínio da variante num período tão curto de tempo sublinhou a notável capacidade da Ómicron de correr através dos oceanos e continentes. Os cientistas dizem que se propaga mais facilmente do que outras estirpes de coronavírus, incluindo a Delta, embora muitos detalhes sobre ela permaneçam desconhecidos, incluindo se causa doenças mais ou menos graves. Mas mesmo que seja mais branda, a nova variante pode ainda assim sobrecarregar os sistemas de saúde, devido ao número absoluto de infeções.

Estados com hospitais em rutura

No Texas, um sistema hospitalar em Houston relata que a Ómicron já é responsável por 82% dos novos casos sintomáticos da Covid-19 que está a tratar, um aumento dramático desde sexta-feira, quando os testes mostraram que era responsável por apenas 45% dos casos do sistema.

Mas no Missouri, um epicentro precoce do surto delta, a variante ainda representa 98% a 99% das amostras da COVID-19, de acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Sénior do Estado.

Entretanto, os hospitais em Ohio adiaram cirurgias eletivas, enquanto os governadores do Maine e New Hampshire enviaram reforços da Guarda Nacional para ajudar o pessoal hospitalar sitiado nos últimos dias.

No Kansas, os hospitais rurais estão a lutar pela transferência de pacientes, com alguns deles a ficarem presos em salas de emergência durante uma semana enquanto esperam por uma cama. Hospitais superlotados, tão distantes como Minnesota e Michigan, têm procurado camas em hospitais maiores do Kansas. Muitas vezes, simplesmente não há espaço.

Festejos cancelados

A segunda maior cidade do país cancelou a sua celebração de Ano Novo na segunda-feira, e o seu estado mais pequeno reinstituiu um mandato de uso máscara em espaços interiores. As medidas tomadas em Los Angeles e Rhode Island refletem o aumento dos receios de um surto potencialmente devastador da COVID-19 no inverno.

Na cidade de Nova Iorque, onde um pico de infeções já está a afundar os espetáculos da Broadway e a causar longas filas nos centros de testes, espera-se que o presidente da câmara, Bill de Blasio, decida esta semana se a famosa festa de Ano Novo da cidade, em Times Square, voltará "com toda a força", como ele tinha prometido.