This content is not available in your region

Transferência de tecnologia mRNA para África

Access to the comments Comentários
De  euronews
Transferência de tecnologia mRNA para África
Direitos de autor  Johanna Geron/AP   -  

Egito, Quénia, Nigéria, Tunísia, Senegal e África do Sul vão receber a tecnologia necessária para produzirem vacinas mRNA.

São os primeiros seis países no continente africano a receber esta tecnologia. O anúncio da Organização Mundial da Saúde ocorreu durante a Cimeira União Europeia - União Africana que ocorre em Bruxelas.

O diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirma: "Esperamos que os benefícios desta iniciativa se estendam muito para além da COVID-19, criando uma plataforma de vacinas contra outras doenças, incluindo a malária, a tuberculose e mesmo o cancro. Portanto, este é um investimento estratégico".

O centro global de transferência de tecnologia mRNA foi estabelecido em 2021 e tem como objetivo apoiar fabricantes em países de baixo e médio rendimento a produzir as próprias vacinas, quebrando assim a dependência destas nações das grandes farmacêuticas.

A OMS tem trabalhado para estabelecer um centro de formação de mão-de-obra que irá formar pessoas de todos os países interessados na investigação científica.

Com o grau de alerta a passar de "Vermelho" para "Laranja", a partir desta sexta-feira a Bélgica alivia as medidas de combate à Covid-19. O teletrabalho deixa de ser obrigatório, embora seja aconselhado, e o uso de máscara no interior de locais públicos passa a facultativo.

Hotéis e restaurantes retomam o horário normal de funcionamento e as casas noturnas voltam a reabrir, com até 70% da capacidade.

Na vizinha Alemanha, estima-se que a maioria das restrições para combater o coronavírus seja levantada até 20 de março. Cerca de 75% dos germânicos foram já inoculados com a segunda dose da vacina contra a Covid-19.

Vacinados e recuperados deixam de estar obrigados a apresentar o certificado digital para entrar em restaurantes e hotéis já a partir de 04 de março.

Também Portugal anunciou a flexibilização das medidas de combate à pandemia. Por exemplo, os contactos de risco já não têm de ficar em confinamento e deixa de haver limites de lotação em estabelecimentos comerciais, equipamentos e outros locais abertos ao público.