This content is not available in your region

Kiev não confirma nem nega ataque a depósito de combustível na Rússia

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Ukraine
Ukraine   -   Direitos de autor  Rodrigo Abd/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.   -  

A Ucrânia não confirma nem desmente ser responsável pelo ataque a um depósito de combustível na cidade russa de Belgorod, a cerca de oitenta quilómetros de Kharkiv. 

Questionado sobre o assunto, Oleksiy Arestovich, conselheiro do presidente ucraniano respondeu com ironia:

"Talvez as tropas russas estejam a sabotar ordens e não queiram entrar em território ucraniano pelos meios disponíveis". Em qualquer caso, são as autoridades russas que têm a responsabilidade pelo que acontece em território russo".

Duas pessoas terão ficado feridas no ataque, que coincidiu com o reinício das negociações online entre russos e ucranianos para pôr fim ao conflito.

Dmitry Peskov, porta-voz do presidente da Rússia, disse: "Bem, certamente, isto não é algo que possa ser visto como criando condições confortáveis para a continuação das conversações".

Esta sexta-feira, a Rússia devolveu o controlo da central nuclear de Chernobyl à Ucrânia. O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) disse que a situação da radiação na central é boa, mas há rumores de que pode haver pessoas que estiveram expostas a níveis mais elevados.

"Ouvimos falar da possibilidade de algum pessoal estar contaminado, mas não temos qualquer confirmação sobre isso. E temos muitos peritos para ajudar se isso nos for pedido", afirmou.

As tropas russas continuaram a retirar-se das áreas em redor de Kyiv, três dias depois de Moscovo ter dito que iria reduzir a atividade militar perto da capital ucraniana e da cidade do norte de Chernihiv e as forças ucranianas exploraram o recuo montando contra-ataques e retomando cidades e aldeias.

No sudeste, a tentativa de abrir um corredor humanitário na cidade mártir de Mariupol voltou a falhar.  As autoridades municipais disseram que os russos estavam a bloquear o acesso a Mariupol e que era demasiado perigoso para as pessoas partirem por conta própria.

"Estamos a ficar sem adjetivos para descrever os horrores que os residentes em Mariupol sofreram", disse o porta-voz da Cruz Vermelha, Ewan Watson. "A situação é horrenda e está a deteriorar-se, e é agora um imperativo humanitário que as pessoas sejam autorizadas a sair e que os fornecimentos de ajuda sejam autorizados a entrar".

A Cruz Vermelha vai tentar de novo este sábado.