Joe Biden promulga lei que impõe limites no acesso a armas de fogo

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Joe Biden, Presidente dos EUA
Joe Biden, Presidente dos EUA   -   Direitos de autor  Diritti d'autore MANDEL NGAN/AFP

O presidente dos Estados Unidos promulgou este sábado a lei que restringe as condições de acesso às armas de fogo. É um projeto bipartidário, que foi aprovado com os votos democratas e de 14 representantes republicanos.

Entre outras medidas, a legislação obriga à verificação de antecedentes dos compradores mais jovens, interdita as armas a criminosos de violência doméstica e ajuda os Estados a pôr em prática leis de bandeira vermelha, que facilitem às autoridades a recolha de armas de pessoas julgadas perigosas.

A Câmara deu a aprovação final na sexta-feira, após a passagem do Senado na quinta-feira, e Biden agiu imediatamente antes de deixar Washington para duas cimeiras na Europa.

O presidente chamou-lhe "um feito histórico". "Sei que há muito mais trabalho a fazer, e nunca vou desistir, mas este é um dia monumental", disse o presidente, a quem se juntou a sua esposa, Jill, para a assinatura.

Joe Biden anunciou, na ocasião, que no dia 11 de julho irá presidir a um evento para legisladores e famílias afetadas pela violência armada. O presidente falou de famílias "que perderam a alma devido a uma epidemia de violência armada". Perderam o seu filho, o seu marido, a sua mulher. Nada vai preencher esse vazio nos seus corações. Mas eles lideraram o caminho para que outras famílias não tenham a experiência, a dor e o trauma que tiveram de viver".

Embora a nova lei das armas não inclua restrições mais duras há muito defendidas pelos democratas, tais como a proibição de armas de assalto e a verificação de antecedentes para todas as transações de armas de fogo, é a medida contra a violência armada mais impactante produzida pelo Congresso desde a promulgação de uma proibição de armas de assalto de longa duração em 1993.

Biden assinou o projeto de lei pouco antes de partir de Washington para a Europa para participar na Alemanha, na cimeira do G7 - Grupo das sete principais potências económicas: Estados Unidos, Grã-Bretanha, Canadá, França, Alemanha, Itália e Japão.

Da Alemanha, o presidente dos EUA viajará para Espanha, para uma reunião da NATO.