This content is not available in your region

"Ação coletiva ou suicídio coletivo"

Access to the comments Comentários
De  euronews
Líderes reunidos em Berlim para discutir mudanças climáticas
Líderes reunidos em Berlim para discutir mudanças climáticas   -   Direitos de autor  Mary Altaffer/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.   -  

Berlim acolhe esta segunda-feira a 12ª Conferência Petersberg sobre Mudanças Climáticas

Falando antes do início dos trabalhos, a ministra alemã dos negócios estrangeiros Annalena Baerbock recordou que os problemas climáticos não reconhecem fronteiras. 

Temos uma escolha. Acção colectiva ou suicídio colectivo. Está nas nossas mãos
António Guterres
Secretário-Geral das Nações Unidas

Por sua vez, o secretário-geral da ONU, António Guterres, deixou claro que é preciso escolher entre ação coletiva ou suicídio coletivo.

"Metade da humanidade encontra-se na zona de perigo devido a inundações, secas, tempestades extremas e incêndios florestais. Nenhuma nação está imune. No entanto, continuamos a alimentar o nosso vício em combustíveis fósseis. O que mais me preocupa é que, ao enfrentar esta crise global, não estamos a trabalhar em conjunto como uma comunidade multilateral. (...) Excelências, esta tem de ser a década da acção climática decisiva. Isso significa confiança, multilateralismo e colaboração. Temos uma escolha. Acção colectiva ou suicídio colectivo. Está nas nossas mãos", alertou António Guterres, secretário-geral da ONU.

De acordo com um dos principais cientistas no Serviço Copernicus de Vigilância Atmosférica, a tendência para o aumento dos incêndios e das temperaturas vai continuar.

"O estado subjacente da vegetação ou a inflamabilidade, se quiser, o quão vulnerável a vegetação está ao fogo aumenta devido a estas temperaturas mais quentes e secas como resultado das alterações climáticas. Então, nos verões e períodos como estamos agora, basta uma ignição para acender realmente incêndios extremos, que são então muito difíceis de gerir".

A ONG Save The Children alertou para o risco que enfrentam milhões de crianças na Europa devido a doenças respiratórias e de rins devido às temperaturas elevadas que se fazem sentir em todo o continente. 

A ONG apela à ação urgente sobre o clima de forma a reduzir a exposição dos mais jovens a ondas de calor.